De hábitos e monges

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    O Gledson Reis acordou encucado. U m dito popular não lhe saía da cabeça. É “o hábito faz o monge” Afinal, que hábito é esse? O de vestir? Ou o uso habitual? Sem paz, tomou Lexotan. A ansiedade passou. Mas o martelar da dúvida permaneceu impiedoso. Ele, então, com medo de enlouquecer, pediu socorro o blog.   Quando nasceu, o provérbio tinha sentido […]

O que fica?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Que confusão! A reforma ortográfica fez nós e nós na cabeça dos brasileiros. O tumulto chegou a tal ponto que deu margem a delírios à mil e uma noites. Fala-se em fim dos acentos. Decretou-se que viúva perdeu o grampo. Decidiu-se que têm e vêm deram adeus ao chapéu e, embora com menos charme, sentem-se mais livres e soltas. “Alto lá”, dizem as […]

De olho na reforma

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Clara Arreguy Dois ecochatos — sem hífen — conversam ao balcão da cantina: — Os meus pães de queijo podem vir embrulhados no saco de papel. É para economizar. — Como assim, para economizar? Você não pensa nas árvores derrubadas para fabricar este papel? — Mas se vierem no pratinho de vidro, ele terá que ser lavado. E a água que será desperdiçada lavando tanto […]

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioErramos, Geral

A reforma ortográfica confundiu a cabeça de gregos, troianos e aparentados. A nossa não escapou. A prova está lá, na capa. Escrevemos “núvens”. Nuvem e nuvens jogam no time de homem e homens. Nunca tiveram acento. As mudanças não atingiram esses vocábulos. Na dúvida, lembre-se. A reforma tirou acentos. Não acrescentou nenhum.  

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioErramos, Geral

“A triste estatística da morte no trânsito do DF em 2008 marcou 450 vítimas fatais”, escrevemos na capa. Ops! Fatal é o que mata. O acidente mata. É fatal. A doença mata. É fatal. O tirou matou. Foi fatal. A vítima, coitada, morreu. Não matou. Portanto fatal não é. Melhor: A triste estatística do trânsito do DF em 2008 marcou 450 mortos. A triste estatística […]

Unanimidade nacional

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Não é Antarctica. Mas virou unanimidade nacional. Aparece de norte a sul desta alegre Pindorama. Faixas, cartazes, classificados anunciam sem cerimônia. É “vende-se apartamentos” pra cá, “conserta-se roupas” pra lá, “aluga-se carros”, “conserta-se sapatos”, “prega-se botões” pra todos os lados. De tanto ver as pérolas, o olhar se acostuma. A crítica relaxa. Todos têm a impressão de que a forma merece nota dez. Mas é […]

Por aí

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Dizem em Brasília que um turista parou em frente ao Palácio da Alvorada. Viu Lula e dona Marisa. Sem saber com quem estava falando, perguntou ao presidente:— Do You speak English?Sem entender, Lula manteve-se calado. O turista não se deu por achado:— Parlez vous français?Lula, nada. O estrangeiro insistiu:— Usted habla español?Nada. Ele tentou mais uma:— Lei parle italiano?Sem resposta, o turista engatou o carro […]