Dicas de Concursos

Publicado em Deixe um comentárioGeral

<embed src=”http://www.eunaotenhonome.com.br/static/flvplayer.swf” type=”application/x-shockwave-flash” flashvars=”file=http://www.correiobraziliense.com.br/videos/dad_26_05_09.flv&amp;autostart=false&amp;width=320&amp;height=240″ allowfullscreen=”true” allowscriptaccess=”always” height=”240″ width=”320″>    

Dicas de Concursos

Publicado em Deixe um comentárioGeral

<embed src=”http://www.eunaotenhonome.com.br/static/flvplayer.swf” type=”application/x-shockwave-flash” flashvars=”file=http://www.correiobraziliense.com.br/videos/dad_26_05_09.flv&amp;autostart=false&amp;width=320&amp;height=240″ allowfullscreen=”true” allowscriptaccess=”always” height=”240″ width=”320″>    

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioErramos, Geral

“De acordo com a polícia, o Peugeot seguiu em direção à Taguatinga Centro”, escrevemos na pág. 27. Ops! Que descuido! Crase é como aliança no anular esquerdo. Indica o casamento de dois aa. Um é preposição. O outro, em geral, o artigo. Taguatinga Centro dispensa o artigo e, consequentemente, não dá vez à crase. Xô, intrusa!

Nem a pau, Juvenal

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Viu a propaganda da Sadia? D. Elvira chega à padaria e pede: — Quero trezentos gramas de presunto Sadia. O vendedor, com ar cúmplice, pergunta: — A senhora não quer experimentar outra marca? — Nem a pau, Juvenal, responde ela. A freguesa ensina lição pra lá de repetida. No caso, grama é masculino. Daí ela ter pedido trezentos gramas.  

Bruxa solta

Publicado em Deixe um comentárioGeral

A bruxa anda solta. Com vassourinha e tudo, a feiosa fez estragos. Explodiu um jatinho na Bahia. Derrubou um helicóptero em Minas. Assustou passageiros da TAM que voltavam de Miami. Tanta notícia ruim obrigou a imprensa a prestar atenção a dois pormenores. O primeiro: retirar o chapéu de voo. A reforma ortográfica apagou o acento do hiato oo (voos, coroo, abençoo, perdoo). O segundo: não […]

Conosco ninguém pode

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Há secretárias e secretárias. Mas todas têm uma marca. São um baita quebra-galho. No aperto, sempre dão um jeito. Há o caso da auxiliar que não sabia se sexta-feira se escreve com x ou s. Sem dicionário por perto, transferiu a reunião para sábado. Outro dia, pintou uma dúvida no cursinho. O diretor ditava um texto. A secretária anotava. Em dado momento, ele a mandou […]