Hífen: mini-

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O jornalista Clóvis Rossi, da Folha, nos deixou nesta madrugada. Tânatos, o deus da morte, o surpreendeu. Tanto é assim que o respeitado profissional deu satisfação aos leitores que estranharam a ausência da coluna que ele assinava. “Sofri um mini-infarto”, escreveu em nota. Como sempre, caprichou no português. Mini- obedece à regra do emprego do hífen. Pede o tracinho quando seguido de h ou quando […]

Maiúsculas e minúsculas: nomes próprios viram comuns

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A língua joga no time dos mutantes. Instrumento de comunicação das pessoas, muda conforme mudam os tempos e os falantes. Concordâncias, regências, colocações, significados trocam o passo conforme a música. A grafia não fica atrás. Maiúsculas e minúsculas servem de exemplo. Os nomes próprios se escrevem com inicial grandona. É o caso de João, Maria, Aquiles, Pará, Colônia, Brasil. Às vezes, porém, eles entram na […]

Namorar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Nos tempos em que Adão e Eva usavam fraldas, namorava-se com um vigia. Era a vela. Os tempos mudaram. Hoje a moçada dispensa companhia. Ele e ela fazem a festa. Oba! Vamos combinar? Namorar sem intermediários é pra lá de bom. Por isso, prefira a regência direta: João namora Maria. Maria namora João. João a namora. Maria o namora.

Dia dos Namorados: origem

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Qual a origem do Dia dos Namorados? Márcio Cotrim responde: “A versão mais conhecida originou-se na Roma antiga, no século 3º. Um padre chamado Valentim, desobedecendo às ordens do imperador Cláudio II – que proibira o matrimônio durante as guerras por acreditar que os solteiros eram os melhores combatentes – continuou celebrando casamentos. Acabou preso e condenado à morte. Considerado mártir pela Igreja Católica, morreu […]

Cupido: o deus do amor

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

É Dia dos Namorados. Flores e presentes farão a festa. Lojas e restaurantes se preparam pras homenagens. Deuses, ninfas, serafins e mortais marcarão presença. Alguns curtirão a data na Terra. Outros assistirão às reverências de longe, lá do Olimpo. Um deles é Cupido, o responsável pelos encontros e desencontros do coração. Cupido é um menino que anda sempre armado. Mas tem armas muito especiais. De […]

Amar, abraçar e beijar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

No Dia dos Namorados, ganham destaque três verbos do vocabulário amoroso. Tratá-los com flores e perfumes alonga o caminho das duas pontas lembradas por Vinicius: “Que seja infinito enquanto dure”. Amar, abraçar e beijar andam juntos. Até a língua conspira a favor da união. O trio é pele na pele. Transitivos diretos, os verbos dispensam a preposição: Paulo ama Maria, Maria ama Paulo. Paulo abraça […]

E que: emprego pra lá de sofisticado

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Só empregue e que quando houver o primeiro quê, claro ou subentendido: Ele disse que sairia e (que) voltaria tarde. Na falta dele, o paralelismo estará sendo desrespeitado como neste período: As pesquisas revelam grande número de indecisos e que pode haver segundo turno no Rio. Corrigindo: As pesquisas revelam grande número de indecisos e a possibilidade de segundo turno no Rio. Outro período desrespeitador: […]