Politicamente correto: sem exageros

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Há palavras e palavras. Algumas informam. Outras emocionam. Há as que mobilizam para a ação. Todas têm hora e vez. Cuidado especial merecem as que ofendem ou reforçam preconceitos. Grupos organizados – movimento negro, movimento gay, movimento feminista – estão atentos aos vocábulos politicamente incorretos.  Recomenda-se cuidado para não ofender nem agredir o leitor ou o ouvinte. Mas não exagere. Cabeleireiro é cabeleireiro, não hair […]

O chato: quem é?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Para Mário Quintana, “o maior chato é o chato perguntativo. Prefiro o chato discursivo ou narrativo, que se pode ouvir enquanto se pensa noutra coisa”. Para Bert Taylor, “chato é alguém que, quando lhe perguntam como vai, ele explica”. Para Ambroise Bierce, “chata é a pessoa que fala quando gostaríamos que escutasse”. Para a leitora Maria Vírgínia, “chato é o profissional que abusa dos diminutivos: […]

Regência: extorquir

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Que susto! Deu na TV: “Fiscais extorquiram delegada”. É difícil. Extorquir não é lá coisa boa. Significa obter por violência, ameaças ou ardis. O verbo tem uma manha. Seu objeto direto tem de ser coisa. Nunca pessoa. Extorque-se alguma coisa. Não alguém: Fiscais extorquiram dinheiro de delegada. A polícia tentou extorquir o segredo. Extorquiram a fórmula ao cientista.    

É proibido entrada? É proibida entrada?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que imagina nossa vã filosofia”, disse Shakespeare. Ele devia estar pensando na concordância do é bom, é proibido, é feio, é necessário, é preciso & cia. A danada tem manhas. O adjetivo pode ficar invariável ou flexionar-se. Depende do recado. O imutável tem vez quando se deseja fazer referência de modo vago e geral. No […]

Competir: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“O importante não é ganhar. É competir”, repetia o barão de Coubertin. Os fanáticos discordam. Dizem que se trata de desculpa. Cabeças-inchadas recorrem a ela para amenizar a dor por não conseguir cantar “a taça é nossa”. Pelo sim, pelo não, vale a dica. Competir pertence à equipe de preferir e aderir. Veja: eu compito (prefiro, adiro), ele compete (prefere, adere), nós competimos (preferimos, aderimos), […]

Flamengo ganhou do Fluminense por 1 a 0 ou de 1 a 0?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O Flamengo conquistou a taça do Campeonato Carioca. Na partida contra o Fluminense, venceu por 1 a 0.  “Campeão! Campeão! Campeão!”, gritava a torcida. Passado o alarido da festa, vale a curiosidade etimológica. Campeão A palavra campeão nasceu na Alemanha. Quando usava fraldas, tinha significado muito especial. Designava o cavaleiro medieval que combatia em campo fechado em defesa de uma causa. Não raro a causa […]

Maioria das grávidas mortas é brasileira? São brasileiras?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Maioria das grávidas mortas por covid-19 é brasileira”, escreveu o Estadão. Leitores ficaram na dúvida: é ou são? Trata-se do partitivo. O verbo pode concordar com o núcleo do sujeito (maioria) ou com o complemento (grávidas): Maioria das grávidas mortas por covid-19 é brasileira (concorda com maioria). Maioria das grávidas mortas por covid-19 são brasileiras (concorda com grávidas). Parte dos estudantes saiu (concorda com parte). […]