De racismo a consumismo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Novembro é azul. É, também, negro. No 11º mês do ano, comemora-se a consciência negra. O evento traz à tona palavra tão antiga quanto a arca de Noé. É o caso de racismo. Outras mais recentes como consumismo. Mofadas ou fresquinhas, elas têm um denominador comum. Trata-se do sufixo -ismo. As quatro letrinhas, que vêm do grego, são pra lá de férteis. Formam palavras a […]

Acontecer — mau uso é pobreza vocabular

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

As palavras, como as pessoas, têm manias. Combinam. Brigam. Fazem exigências. Armam ciladas. Um verbo cheio de caprichos é o acontecer. Elitista, ele tem poucos empregos. E quase nenhum amigo. Mas, por capricho do destino, os colunistas sociais o adotaram. A moda se espalhou como fogo morro acima ou água morro abaixo. O pobre virou praga. Tudo acontece. Até pessoas: Trump está acontecendo na Ásia. […]

Erramos — desde…até

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Serão votados nesta semana textos que preveem desde o fim do saidão de presos à obrigatoriedade de bloqueadores de celulares em cadeias”, escrevemos na pág. 3. Viu? Faltou paralelismo. A preposição desde exige o parzinho até. O à é membro do casalzinho da, do…à. Melhor reconciliar as partes: Serão votados nesta semana textos que preveem desde o fim do saidão de presos até a obrigatoriedade […]

Parecer — concordâncias volúveis

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“O que pareciam problemas graves, depois do bode parecem plenamente suportáveis”, dizia o editorial do jornal. Lia Souza, lá de Formosa, estranhou a construção. “Será o verbo parecer diferente dos demais? Ele foge à regra geral de concordância?”, pergunta. O sujeito da frase está na cara. É o pronome que. Ele se relaciona ao antecedente o, que significa aquilo (Aquilo que pareciam problemas graves, depois do bode […]

Crase antes de nome masculino? É enganação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Doido invade igreja no Texas e sai atirando. Entre mortos e feridos, 10% da população foi atingida. Estudantes de escolas brasileiras dão tiros em salas de aula. Roubam vidas e espalham medo. Jornais noticiam os fatos. Alguns pisam a bola. Escrevem “matou à tiros”. Bobeiam. Crase antes de nome masculino? Nem a pedido de Deus: matou a tiros. Há casos em que aparece o sinalzinho […]