Aos domingos? Nos domingo? Todos os domingos?

Publicado em 1 Comentárioportuguês

O tempo dá coceira. Ninguém fica indiferente a ele. Tasso, lá  por 1500, encontra-lhe uma aplicação: “Perdido está todo o tempo que em amor não se gasta”. “Tempo é dinheiro”, responde-lhe Teodore Wanke quatro séculos depois. “O que o tempo traz de experiência não vale o que leva de ilusões”, avalia Gabriel Pomeland. “És um senhor tão bonito quanto a cara do meu filho”, acha Caetano. […]

Erramos — hífen

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Polícia fala em 300 mil manifestantes, o que, para os anti-separatistas, é uma estratégia”, escrevemos na pág. 11. Viu? Tropeçamos no hífen. Anti- pede o tracinho quando seguido de h ou de i (anti-herói, anti-imperialismo). No mais, é tudo colado. Melhor: Polícia fala em 300 mil manifestantes, o que, para os antisseparatistas, é uma estratégia.

10% da população votou ou votaram? Ops!

Publicado em 2 Comentáriosportuguês

Percentagem ou porcentagem? Tanto faz. A palavra agrada a gregos e troianos. Você prefere percentagem? Use-a. Acha porcentagem mais charmosa? Bom proveito. E a concordância? Como fica o verbo em construções como 10% da população, 1% dos presentes, 20% da turma? Singular ou plural?Na língua como na vida, ninguém apronta uma só vez nem com uma só pessoa. A percentagem fez concessão no nome. Faz também na concordância. O […]

Plural dos adjetivos compostos

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Parcerias público-privadas? Parcerias públicas-privadas? Parcerias público-privado? ­ Ops! Trata-se da flexão dos adjetivos compostos. A duplinha tem toda a pinta de gente. Um deles fica no bem-bom. O outro sua a camisa. Em outras palavras: o primeiro mantém-se invariável. O segundo, coitadinho, se encarrega de mostrar o feminino e o masculino: ator hispano-americano ­ — atores hispano-americanos intervenção médico-cirúrgica —  ­ intervenções médico-cirúrgicas líder político-empresarial […]

Mario de Andrade confessa

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Se escrevo é primeiro porque amo os homens. Tudo vem disso pra mim. Amo e por isso é que sinto esta vontade de escrever, me importo com os casos dos homens, me importo com os problemas e necessidades deles. Depois escrevo por necessidade pessoal. Tenho vontade de escrever e escrevo. (Isso é pro caso dos versos.) Mas mesmo isso psicologicamente pode ser reduzido a um […]