Extorquir alguém? Nãoooooooooo!

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Que susto! Deu na TV: “Fiscais extorquiram delegada”. É difícil. Extorquir não é lá coisa boa. Significa obter por violência, ameaças ou ardis. O verbo tem uma manha. Seu objeto direto tem de ser coisa. Nunca pessoa. Extorque-se alguma coisa. Não alguém: Fiscais extorquiram dinheiro de delegada. A polícia tentou extorquir o segredo. Extorquiram a fórmula ao cientista.  

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“O ex-presidente Lula assinou ontem, a intimação de sua sentença de nove anos e seis meses de prisão”, escrevemos na pág. 5. Reparou no frasecídio? Separamos o verbo do objeto. Xô, vírgula. Melhor: O ex-presidente Lula assinou ontem a intimação de sua sentença de nove anos e seis meses de prisão.

É proibido entrada? É proibida entrada?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que imagina nossa vã filosofia”, disse Shakespeare. Ele devia estar pensando na concordância do é bom, é proibido, é feio, é necessário, é preciso & cia. A danada tem manhas. O adjetivo pode ficar invariável ou flexionar-se. Depende do recado. O imutável tem vez quando se deseja fazer referência de modo vago e geral. No […]

Do, de o, deste, de este?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Na gramática, nem todos são iguais perante a lei. Alguns são mais iguais. É o caso do sujeito. Dono e senhor da oração, ele manda e desmanda. Um dos caprichos do mandachuva: nunca vir preposicionado. Por isso, nem em delírio, combine o artigo ou o pronome que acompanha o todo-poderoso com a preposição. É briga certa. Dizer é hora do show começar? Valha-nos, Deus. Peça […]