Caprichos da Petrobras

Publicado em Deixe um comentárioGeral

O nome da maior empresa brasileira encuca muita gente. Com razão. Petrobras é oxítona terminada em a (seguida de s). Joga no time de Radiobrás, Eletrobrás, Sindigás. Todas ganham acento. Mas Petrobras foge à regra. Por quê?   Quando nasceu, a cinqüentenária senhora exibia o grampinho. Com o tempo, tornou-se multinacional. Achou melhor tirar o acento, marca do português. Sem ele, ficaria mais parecida com o […]

É prejuízo

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “É provável que Hilary Clinton …ops!perda ou perca a indicação democrata para a presidência dos Estados Unidos? O locutor engasgou. Os ouvintes ficaram curiosos. Uns apostaram na primeira forma. Outros, na segunda. E daí?   Uma letra faz a diferença:    Perda é substantivo: perda de confiança, perda de crédito, perda de poder aquisitivo.   Perca é a primeira pessoa do singular do presente […]

Xiitas em cartaz

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Que triste! A bela Beirute está outra vez sob fogo cruzado. De um lado, os simpatizantes do governo. De outro, os opositores. Milícias xiitas enfrentam o exército. A população está assustada. Teme a volta da guerra civil que castigou a capital do país de 1975 a 1990.   Os brasileiros estão assustados. Aqui vivem três Líbanos. São quase 9 milhões de libaneses e descendentes.Enquanto assistem ao […]

Recorde

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Safra de grãos bate recorde”, anunciam rádios, tevês e jornais. Os agricultores comemoram. O governo também. Com a escassez de comida no mundo, não há notícia mais alvissareira. Mas, pra festa ser completa, uma condição se impõe. Pronunciar a palavra como manda o figurino.   Recorde joga no time de concorde e acorde. A sílaba tônica é cor. Mudar o lugar da fortona dá […]

Dois papéis

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Valha-nos, Deus! O monstro austríaco estuprou e seqüestrou a filha. Trancou-a no porão durante 24 anos. Nesse ínterim, a moça deu à luz sete filhos. Um morreu. Três escaparam do cativeiro. Os outros sobreviveram na masmorra. Uma ficou doente. “Sem nunca ter visto a luz do dia, a jovem saiu inconsciente do porão e foi levada pelo avô e pelo pai para a emergência […]

Xô, intruso

Publicado em Deixe um comentárioGeral

“É hora de se rever a lei”, escreveu O Globo na pág. 3. Leia a frase sem o se. Melhor, não? A razão é simples. Com o infinitivo, o monossílabo não tem vez. Sobra. Merecem nota 10 construções como estas: Bairro bom para morar (não: se morar). Para obter sucesso, dê duro (nunca: para se obter). A melhor forma de aprender os verbos é decorar a […]

Sem trocar as bolas

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Passaram-se 46 dias. O vaivém do caso Isabella Nardoni comoveu o país. Ontem, o juz mandou prender o pai e a madrasta da garota. Repórteres se apressaram a informar o público. Não deu outra. No corre-corre, misturaram alhos com bugalhos. Falaram em “parecer” do juiz.   Nada feito. O juiz não dá parecer. Sua Excelência profere sentença — condena, absolve, ordena, determina, impõe, autoriza, desautoriza. Em […]

O calendário enlouqueceu

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    É provocação? Parece. A Presidência da República desafia o calendário. Duvida? Leia a nota abaixo, divulgada pelo Palácio do Planalto:      Brasília, 07 de maio de 2008.   Governo investe R$ 341,7 milhões na construção de 484 creches  Até o final do ano, o governo federal vai investir R$ 341,7 milhões na construção de 484 creches em 484 municípios, nas cinco regiões do […]

Xô, modismo

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Deputado federal do DEM, licenciado para exercer o cargo no Executivo local, Taniguchi é acusado pelo MP, junto com outros dois assessores, de desrespeitar a lei”, escrevemos na pág. 10 do Correio. Pergunta-se: qual o papel do “outros”? Sobrecarregar a frase. O modismo sobra. Xô!

Qual é a da Dilma?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Produzida, segura e falante, Dilma Rousseff fala na Comissão de Infra-Estrutura do Senado. Ela se preparou. A cada pergunta, entope Suas Excelências de números. Eles ficam tontos. Os comentaristas dizem que a estratégia foi montada pelo Planalto. Assim, não dá tempo de entrar no espinho chamado dossiê.   Mas dá oportunidade de falar em regência verbal. A dona da Casa Civil depõe à comissão ou depõe […]