A raposa e o corvo — a vaidade

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Era uma vez…   O senhor corvo estava no allllllllllllllto da árvore. Tinha no bico um pedaço de queijo pra lá de gostoso. A senhora raposa passou por ali e sentiu o cheiro. Morreu de vontade de comer a delícia. Olhou pra cima. Ao ver a ave, teve uma idéia. Com voz bajuladora, disse:   — Que belo pássaro você é! Que maravilha para […]

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioErramos, Geral

  “Além de empurrar os índices de leitura para cima, os jovens adolescentes também estão introduzindo novos hábitos de leitura”, escrevemos na pág. 15. Desperdício, não? Além de indica adição. Também exerce o mesmo papel. Melhor dizer não ao esbanjamento. Fiquemos com um ou outro: Além de empurrar os índices de leitura para cima, os jovens adolescentes estão introduzindo novos hábitos de leitura. Os jovens […]

Basta

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Basta!”, grita a mãe com o filho. “Bastam alguns cuidados para manter os dentes perfeitos”, diz o dentista. “Basta de mentiras”, desabafa a namorada ao ver o amado com outra. Viu? É o verbo bastar em eterno cartaz. Com ele todo cuidado é pouco. Abra os olhos para a concordância.   Cuidado com a concordância quando o sujeito vem depois do verbo: Bastam algumas […]

Chavões e modismos

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Chavão tem sinônimos. Um é lugar-comum. Outro, clichê. Alguns dizem ladainha. Também vale estribilho. Às vezes falatório. Ou bordão. FHC ressuscitou o nhenhenhém. O povo dá-lhe um nome: propaganda eleitoral. Ou discurso de político.   Na origem, chavão é chave grande. Também molde de metal. Serve para imprimir figuras e adornos nos bolos e massas. Ou para marcar gado. Tem a ver com […]

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioErramos, Geral

  “É a maior apreensão da droga no ano, recolhida durante ação realizada em conjunto com a Divisão de Operações Especiais e a Coordenação de Repressão às Drogas da Polícia Civil do DF”, escrevemos na pág. 34. Viu? Trocamos a preposição. A ação foi realizada pela Divisão de Operações Especiais em conjunto com a Coordenação de Repressão às Drogas.

Milagre na internet

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Você viu? O Luciano Pires, do Blog do Servidor, viu e se arrepiou. Ao ler a FOLHAONLINE dinheiro, duvidou dos próprios olhos. Lá estava: “Enquanto o setor de telefonia móvel vai `de vento em polpa´…” Ops! É milagre! Transformaram o vento em massa. Ora, se o vento tem polpa, dá pra fazer um suco ou um docinho. Que tal?

Pleonasmos pra dar e vender

Publicado em 1 ComentárioGeral

  Pleonasmo vem do grego. Lá e cá tem o mesmo significado. É a redudância de termos, o exagero, a superabundância. Como excesso de sobremesa, enjoa. Nós brincamos com alguns pra lá de conhecidos. É o subir pra cima, descer pra baixo, entrar pra dentro, sair pra fora. Mas existem os engenhosos. Ao menor descuido, passam despercebidos. Nós, ingênuos, caímos na armadilha. Eles morrem de […]

Gosto do freguês

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Maria é mais bonita que Paula? Ou é mais bonita do que Paula? Tanto faz. No comparativo de superioridade ou inferioridade, a preposição é facultativa. Fica a gosto do freguês: Vitória é mais violenta (do) que Salvador. Trabalho menos (do) que João. Maria viaja mais (do) que Cláudia, mas menos (do) que Beatriz.  

Rejane pergunta

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  A Rejane leu o post “Rubrica”. Lá no fim, está escrito: “Dá otite”. Lembrou-se, então, da observação de um amigo: “Dá não existe. Só da tem vez na língua”.   Verdade? Não. Ambas as formas existem. Mas pertencem a classes gramaticais diferentes:   Da é combinação da preposição de com o artigo a:  Daniel Dantas falou da Polícia Federal. Gostei da moda de inveno deste […]