Concisão: palavras desnecessárias

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A frase adora lipoaspiração. Gordurinhas aqui e ali sobram. E, porque sobram, tornam o enunciado obeso e obscuro. Melhor recorrer ao bisturi. Elimine palavras ou expressões desnecessárias: processo de adaptação: adaptação decisão tomada no âmbito da diretoria: decisão da diretoria trabalho de natureza temporária: trabalho temporário problema de ordem sexual: problema sexual curso em nível de pós-graduação: curso de pós-graduação lei de alcance federal: lei […]

Fileirinha de dês: obscuridade

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Termos longos ligados por uma fileira de dês constituem pedra no caminho do leitor. De um lado, pecam pela abstração. De outro, pela dificuldade de serem entendidos. Vale tudo para descarrilhar o trenzinho. A melhor estratégia: transformar substantivos e adjetivos em verbos. Veja: O progresso dos estudantes de instituições de ensino do governo é lento. Ruim, não? O período, além da fileirinha de dês, parece […]

Plural: olhos castanho-escuros ou castanhos-escuros?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Como lidar com o adjetivo composto? Ele tem manhas. Pra não cair na cilada, preste atenção à classe gramatical das palavras que o compõe. São dois casos: Adjetivo + adjetivo ou palavra invariável + adjetivo: só o segundo se flexiona (olho castanho-escuro, olhos castanho-escuros, símbolo verde-amarelo, símbolos verde-amarelos, camiseta verde-amarela, camisetas verde-amarelas). Exceção: azul-marinho e azul-celeste, que são invariáveis – sapato azul-marinho, sapatos azul-marinho; blusa […]

Hífen: cor-de-laranja ou cor de laranja

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A reforma ortográfica cassou o hífen de palavras compostas. Entre elas, as formadas de dois ou mais vocábulos ligados por preposição, conjunção, pronome. Pé de moleque, mão de obra, tomara que caia, mula sem cabeça, dor de cotovelo & cia. se escreviam com tracinho. Agora estão soltinhas da silva. (Nome de bichos e plantas mantêm o hífen – joão-de-barro, castanha-do-pará.) As cores entraram na faxina. […]

Quê: quando acentuar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O quezinho aparece enchapelado em duas situações: Quando for substantivo. Aí, tem plural: O noivo tem um quê provinciano. Não sei os quês dos porquês. A letra quê tem charme. A modelo tem um quê sedutor. Nenhum dos quês recebeu a resposta adequada. Quando está no fim (no fim mesmo) da frase: Você saiu por quê? Os americanos estão irritados com quê? Quê! Você por […]

Javali: por que dispensa o acento

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Os meninos que ficaram presos em caverna da Tailândia formavam o time Javalis Selvagens.  Por que javali não tem acento? No português nosso de todos os dias, as palavras terminadas em i são oxítonas. Dispensam acento: tupi, guarani, aqui, ali, buriti, abri-lo, dividi-lo. E, claro, javali. Algumas trocam de time. Abandonam as oxítonas e se tornam paroxítonas ou proparoxítonas. Aí, sim, recebem grampo ou chapéu […]

Intermediar & cia.: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Sai dia, entra dia, a história se repete. Desvendam-se esquemas montados para assaltar os cofres públicos. Eles têm um denominador comum — os intermediários. Podem ser doleiros, empresas, escritórios de advocacia. Todos conjugam o verbo intermediar. Ele, como os profissionais da corrupção, é cheio de manhas. Uma delas: a conjugação. Intermediar pertence à gangue do MARIO. O nome da perigosa organização se formou com a […]