Researchers-caution-against-the-use-of-4NP-and-similar-chemicals_strict_xxl

TAMBÉM MATERIAIS

Publicado em transtornos

Na semana passada, escrevi que não podemos mais negar as evidências de que não somos apenas matéria. Relatei o caso de alguém que vem lutando contra um transtorno psiquiátrico apenas com medicação, sem psicoterapia, sem religiosidade, esquecida de que somos, antes de tudo, seres espirituais. Hoje, quero falar a respeito do outro lado dessa mesma moeda, contando uma história diferente, embora sobre o mesmo tema.

Há alguns anos, recebi no consultório uma mulher que vivia um casamento doloroso, com um homem que bebia muito e também usava cocaína, transformando num inferno a própria vida, a da esposa e a das quatro filhas que tinham.

Após uns 16 anos de drama, essa mulher iniciou comigo um processo psicoterapêutico. Logo de cara, identificamos que a história vivida com o marido não era nenhuma novidade para ela, gerada em um lar desajustado que incluía, além de um pai beberrão e infiel, uma mãe permissiva. Assim, ficou também claro que a depressão dela não teve início no casamento, mas na infância roubada.

No entanto, quando expliquei que ela precisava de uma medicação que corrigisse a disfunção química cerebral de que sofria, ela reagiu dizendo que tentaria um tratamento alternativo, já que tomar remédio não era com ela. Além disso, ela possuía um grupo de amigas religiosas que também se manifestaram radicalmente contra, afirmando que esse tipo de medicamento faz mais mal do que bem, que ela precisava era de e que, se frequentasse determinada igreja, logo estaria curada.

Só que, após uns meses, embora se mantivesse firme na terapia e na igreja, os problemas ainda não estavam resolvidos. Ela os enxergava de outra forma, sentindo-se psicologicamente e espiritualmente apoiada. Mas continuava sem forças para dar outro rumo à vida. A verdade é que o corpo não estava conseguindo acompanhar a alma, que ansiava por mudanças, que sentia delas necessidade. E foi aí que ela entregou os pontos, procurando um médico.

Um mês depois, durante a consulta semanal, surge ela animadamente contando que estivera com as amigas e que havia deixado bem claro que sua recuperação nada tinha a ver com Deus, que o milagre havia sido feito por mim, pelo psiquiatra e pelo remédio prescrito. O resultado foi que as outras ficaram escandalizadas, considerando blasfêmia tudo aquilo e odiando todos nós.

Daí iniciei com ela uma discussão a respeito da participação de Deus no bem-estar de que então desfrutava. Quantas pessoas não teriam se envolvido na pesquisa da substância que a estava ajudando a sair da depressão? Quanto tempo os cientistas não teriam se dedicado a esse trabalho? O quanto não teriam precisado ser inteligentes, estudiosos, persistentes? De quanto não teriam precisado abrir mão para seguir em frente?

Enquanto viajamos, descansamos, passeamos pelos shoppings, comemos churrasco à beira da piscina dançando forró, há pessoas trancadas em laboratórios trabalhando. Gente que pouco viaja, pouco descansa, não conhece as tendências da moda e não se bronzeia há muito. Gente incansável, movida pela paixão, por um ideal, que ajuda a salvar vidas. Não seria isso um prodígio? Não seriam essas criaturas uns dos muitos portentos de Deus que mal enxergamos?

As pessoas costumam fantasiar os milagres, esperando feitos espantosos do tipo um raio atirado diretamente do céu. Mas acho que, em verdade, minha paciente havia sido agraciada com um deles, sim. E está na hora de ampliarmos nossa visão, deixarmos de lado esse olhar ainda infantil, para usufruir todas essas maravilhas imateriais e materiais que o Criador coloca à nossa disposição.

Publicado no Tribuna do Brasil de 15/06/2007  – Caderno TBprograma, Coluna Psicoproseando…com Maraci

Gostou da leitura? Então, conheça os textos relacionados que precederam este: O GÊNIO E A DOR  e  TAMBÉM ESPIRITUAIS

11 thoughts on “TAMBÉM MATERIAIS

  1. Ainda existe muito preconceito com relação às medicações antidepressivas. Pessoas dão todo tipo de desculpa para não usa-las esquecendo que o tratamento da depressão é um “combo”, onde elas devem estar. Não julgo quem pensa assim. Também aprendi da pior forma que tais remédios são capazes de verdadeiros milagres em nossas vidas, em menor proporção que Deus, mas com bastante importância também.

    1. Os medicamentos são obras do homem, que conta com a ajuda heroica e indispensável dos animais. Homens e animais são obras de Deus.

  2. Acredito que seu comentário resume todo o texto, pelo menos para mim que creio em Deus e penso que nada é feito sem a permissão Dele: “Os medicamentos são obras do homem, que conta com a ajuda heroica e indispensável dos animais e da flora. Homens, flora e animais são obras de Deus. ” Ainda assim, existem pessoas com pensamentos limitados, infelizmente existe a ignorância com ou sem religião.

  3. Maroca você também é uma obra de Deus, veio a esse mundo com o propósito de ajudar as pessoas em suas necessidades, te admiro desde a primeira vez que te conheci, Abraços.

    1. Você também é uma linda obra de Deus! Está no meu coração desde o dia em que nos conhecemos. Talvez até antes! Quem sabe, não é?! Beijão!

  4. Acho bem interessante esse tipo de debate, aprendemos a cada comentário, mas acredito que falta informações das pessoas no diz que depressão (somente Deus trata), e confesso que por muito tempo acreditei assim, mas depois de buscar melhor, entendo que trata-se de uma patologia existente e os tratamentos ocorrem por meio de remédios específicos e neste caso Deus até ajuda mas depois de tomarmos a iniciativa de buscar ajuda nos especialistas no assunto. No mais tudo é obra de Deus..Meus parabéns Maraci, continue brilhando….grande abraço….

  5. Muitas pessoas ainda tem a mente muito fechada em relação aos medicamentos antidepressivos. Infelizmente sofro com isso e hoje agradeço a Deus por ter aberto a minha mente. Os meus irmãos da igreja que me ajudaram a abrir a mente e entender que a medicação é necessária. Nunca ouvi de nenhum deles que depressão é falta de Deus. Na verdade me apeguei muito mais a Ele quando a passei a tratar o problema de forma correta. Obrigada por esse texto Mara. Você acompanhou uma parte da minha história e sou muito grata a Deus por ter te colocado no meu caminho. Você é uma muito especial para mim. Grande beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*