fidel, amor e paredon

FIDEL, AMOR E PAREDÓN

Publicado em Psicologia

Em 31 de julho de 2006, Fidel Castro surpreendeu o mundo, inclusive Cuba, ao anunciar que cedia o poder ao irmão Raúl, em caráter provisório. Sem revelar que doença o afetava, admitiu que tinha estado à beira da morte, perdido quase 20 quilos no primeiro mês da crise e passado por várias cirurgias.

Raúl Castro assumiu naquele 31 de julho e obteve plenos poderes em 24 de fevereiro de 2008; Fidel faleceu em 25 de novembro de 2016; e, em 19 de abril deste ano, Raúl se aposentou, sendo sucedido por Miguel Díaz-Canel.

Com Raúl no poder, muitas mudanças aconteceram em Cuba, que parecia parada no tempo – as penas de morte foram comutadas; as relações com os EUA foram restabelecidas; teve início uma política de abertura econômica.

Mas os relacionamentos de abuso a que me refiro em FIDEL, AMOR E PAREDÓN continuam frequentes pelo mundo afora. Lamentavelmente, o texto escrito em 2006 permanece atual.

 

FIDEL, AMOR E PAREDÓN

Talvez jamais saibamos o que acometeu Fidel Castro. Procurei notícias confiáveis, mas nada encontrei. Tem sido assim, quando se trata de líderes políticos doentes. De qualquer forma, torço para que ele logo se recupere.

Só que essa situação trouxe à minha lembrança uma notícia publicada pela Veja, há alguns meses:“Fidel fuzila a internet. Regime comunista reforça censura com decreto que inviabiliza acesso dos cubanos à web”… “Num comunicado, o governo alegou que a intenção é “evitar o uso fraudulento da internet”. Mas ninguém duvida que o objetivo é dificultar o livre fluxo de informações”.

Fidel sempre contou defensores ferrenhos. Mas imagino que, até neles, essa medida produziu desconforto. E penso que muitos de nós sentimos alívio por estarmos distantes da realidade dos nossos irmãos cubanos. Mas será que o Regime é algo assim tão remoto?

Não se pode falar em Cuba e Fidel sem falar em domínio, ingrediente também de relacionamentos amorosos abusivos. Mas a proibição do uso da internet pelos cubanos levou-me a pensar naquele tipo de controle que alguém pode exercer sobre a vida social do parceiro.

Há quem fiscalize os comportamentos e até os pensamentos do outro, como os integrantes do CDR – Comité de Defensa de la Revolución, de Cuba. Vigilantes, selecionam amigos e parentes com quem o companheiro pode manter contato. Somente os que “vivem segundo sua cartilha” são bem-vindos. Alegando “cuidados” com o parceiro, tornam os contatos sociais desagradáveis. Uma confraternização pode virar uma provação. E quem não adere ao Regime arrisca-se ao paredón.

Mas há os que se comportam de forma encantadora em público, carismáticos como Fidel. Só que, quando entre quatro paredes, fazem com que o outro se sinta inadequado no que se refere à própria família ou aos amigos escolhidos. E podem usar chantagens, ameaças e acessos de fúria para coagi-lo a renunciar a entes queridos.

No início do relacionamento, pode parecer que essas pessoas apenas não querem partilhar as atenções do “amado”. Mas o resultado disso pode ser o isolamento total. Muita gente renuncia ao contato social esgotada por essas batalhas, distanciando-se de pessoas e atividades importantes. E também aí a comparação com o que foi imposto aos cubanos é inevitável.

Apesar disso, a vítima fica presa ao anzol do “amor”, da esperança de que o outro mude, do medo de ficar sozinha, de ser responsabilizada pelo fracasso do relacionamento, ou da reação do opressor. Tudo da mesma forma que muitos cubanos estão presos ao Regime pelos índices sociais que o país apresenta, pela questionável não existência de desemprego, favelas e violência urbana, pela idéia de que todos têm alimentação, saúde e educação, pela alta expectativa de vida, pelo baixíssimo índice de mortalidade infantil, pelo medo do que possa acontecer se não se aderir plenamente ao sistema.

Um povo alegre, sentimental, emocional, barulhento e, ao mesmo tempo, desesperançado e temeroso. Essa descrição dos cubanos lembra muitas pessoas que vivem relacionamentos abusivos, que podem ser brilhantes em determinados locais ou situações, da mesma forma que podem ser deprimidas em outros, irreconhecíveis figuras.

Dizem que há duas Cubas: a turística e a real. Assim como um relacionamento amoroso abusivo pode produzir duas vidas: uma pública e outra privada. Dizem que ninguém passa imune por Cuba. E, da mesma forma, ninguém passa imune por um relacionamento assim.

E aí, resta a pergunta. Você conhece alguém que, mesmo fora de Cuba, vive como se lá estivesse?

Publicado no Tribuna do Brasil de 26/8/2006
Caderno TBmulher, Coluna
Psicoproseando…com Maraci

Gostou do texto? Então comente e compartilhe. Aproveite para visitar o blog. Há muitos posts sobre este e outros temas.

E se você está vivendo ou conhece uma mulher que esteja vivendo um relacionamento amoroso que começou como um sonho, mas virou um pesadelo? Leia sobre o Grupo de Terapia PARA SOBREVIVER A UM GRANDE AMOR. Basta CLICAR AQUI.

6 thoughts on “FIDEL, AMOR E PAREDÓN

  1. Adorei o texto!!!! Infelizmente existem mesmo relacionamentos com censura e críticas excessivas, e parceiros que querem “moldar” a outra parte. E acontece não só em relacionamentos amorosos. Há situações entre pais e filhos, bem como em relações profissionais. Não é fácil sair ou mudar, mas é quase sempre possível. Taí uma situação que a terapia ajuda bastante, não é Maraci??? 😉

  2. Vivi uma relação doentia dessas, onde eu não podia ter amigos, parentes ou emprego. Tudo o que eu fizesse sem ele, era uma ameaça. Me predispus a viver tais situações acreditando que aquela relação, aos 35 anos, seria minha última tentativa de ser feliz. Vivi um teatro, me anulando e aceitando defeitos INACEITÁVEIS em um companheiro. Foram 2 anos e meio de convivência que me fizeram mais madura e independente que nunca.

    Finalmente, ao sair daquela relação, pude voltar a ser a mulher independente, sociável, cheia de amigos e tão presente na família.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*