Crédito: Minervino Junior/CB/D.A Press.
Reguffe plenario Crédito: Minervino Junior/CB/D.A Press.

Voto pelo impeachment

Publicado em CB.Poder, Sem categoria

O senador José Antônio Reguffe (sem partido-DF) já tomou uma decisão sem volta: vai votar a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff quando o Senado julgar o processo no plenário. Embora tenha posição sempre sintonizada com as do senador Cristovam Buarque (PPS-DF), neste caso, eles poderão divergir. Cristovam ainda estuda o cenário.

 

Distante do tio
Reguffe é sobrinho de Sérgio Machado, o ex-presidente da Transpetro que se tornou o homem-bomba da República. Muito antes do primeiro mandato parlamentar, o senador do DF chegou a trabalhar no gabinete dele no Senado. Mas os dois se afastaram há muito tempo. Reguffe optou por seguir uma carreira política solo no Distrito Federal, sem a influência política que o tio tinha no Ceará. Há muito tempo, os dois não se falam.

  • José Marcelo

    Reguffe o mais demagogo dos políticos. Desses senhores não se salva um.

  • Felipe Lima Vieira

    Golpista.

    • Jad Bal Ja

      Golpista por que? Ate hoje espero uma explicação de por que quando o PT entrou com mais de 50 pedidos de impeachment contra outros presidentes era legal, e agora contra o PT é “golpe”. Sem hipocrisia, sem papo furado, qual a explicação a não ser a simples cara de pau dos petistas?

      • Wilson Santana

        Posso te ajudar com sua duvida, impeachment esta na constituição e não se traduz como golpe quando todas as etapas não são esquecidas ou puladas, para ilustrar melhor, pois acredito que você tenha deficit de atenção, me explica onda esta a CPI para apurar os tais crimes de responsabilidade? Quando foi instaurada? Quem relatou? Ja houve o julgamento? Qual o resultado? Se você tiver todas as respostas, realmente não é um golpe……..SEM MAIS

        • Jad Bal Ja

          CPI? O que CPI tem a ver com o impeachment? Onde esta previsto na constituição que precisa ter uma CPI? Não há absolutamente nada na constituição que exija uma CPI para que o processo de impeachment seja legal. Você esta simplesmente inventado um argumento estrambólico para justificar uma posição sem base legal nenhuma.

          Não há nenhum golpe, Dilma teve todas a chance de se defender, o processo foi referendado pelo STF, pela OAB e pela Câmara dos Deputados com base em um parecer do TCU.

          • Wilson Santana

            Acredito que ao menos ler, você sabe..

            1. Dilma Rousseff não é ré em nenhum processo. Não cometeu nenhum crime, e não é investigada pela Lava Jato. Isto, por si só, já encerraria a discussão: impeachment sem crime, é golpe.

            2. O argumento para o impeachment são as “pedaladas fiscais”. O que é isso? Dilma colocou dinheiro da Caixa Econômica Federal em programas sociais, para conseguir fechar as contas e, no ano seguinte, devolveu esse dinheiro à Caixa. Não obteve nenhum benefício pessoal e nem seus piores inimigos conseguem acusá-la de qualquer ato de corrupção. O mesmo expediente foi utilizado por Lula, FHC, pela maioria dos governadores e prefeitos. Ou seja, usar esse fato para afastar apenas Dilma, é golpe.

            3. Ao contrário de Dilma, os políticos que pedem seu afastamento, como Eduardo Cunha (que tem contas secretas milionárias na Suíça) e Aécio Neves (citado em seis delações), têm muito a explicar. E mais da metade dos integrantes da comissão de impeachment (37 de 65 integrantes) estão na mira da Justiça, investigados por corrupção. Um processo conduzido por essas pessoas contra uma presidenta que não é ré em nenhuma ação, é golpe.

            4. Dilma Rousseff foi eleita com mais de 54,5 milhões de votos. Derrubá-la sem que haja nenhum crime cometido não apenas é golpe como é um desrespeito com a maioria do eleitorado brasileiro. Não à toa um dos líderes do movimento é o candidato derrotado em 2014, Aécio Neves. Perder uma eleição é chato, mas faz parte da vida. O próprio Lula foi candidato quatro vezes até ser eleito. Quem desejar ser presidente deve aguardar as eleições de 2018 e se candidatar. É assim que funciona numa democracia. Caso contrário, é golpe.

            5. Em 1964, o golpe também não tinha esse nome. Era “revolução”. Era mal disfarçado, como hoje. É pouco provável que o governo seja derrubado com tanques na rua –apesar de muitos opositores de Dilma pedirem isso. Mas há outras formas de se desrespeitar a democracia e derrubar um governante, e é isso o que a oposição, a mídia e setores do empresariado e do judiciário estão fazendo. Não há tanques, e pode se usar o nome que quiser. Mas, na prática, é golpe.

            6. Governo não é como roupa, que se não serve ou você não gostou da cor você vai lá e troca. Numa democracia, a troca é pelo voto. Se não, é golpe.

            7. Se todos os canhões da mídia, do judiciário e do empresariado estão voltados contra apenas um partido, o interesse não é o bem público ou a moralização da política. O interesse é prejudicar apenas esse partido para ganhar o poder no tapetão. E aí, novamente, não tem como dourar a pílula: é golpe.

        • Mauro Chaves

          Vamos estudar mais e escrever menos asneiras. Suas alegações são fracas e demonstram pouco conhecimento…

      • Gilberto

        ESTE NEM BRASILEIRO É, VOLTA PRA TUA TERRA DE ILLUMINATIS

  • Brasilene Ferreira

    Alguém acredita no REGUFFE? Não fala com o tio há anos, faz-me rir.

  • Monsieur De Brito Ramos

    Essa matéria tá parecendo jabá..oops.. parecendo…

  • Eshyle Mongan

    Após a divulgação das gravações de Sérgio Machado o povo ainda tem coragem de afirmar que não existe golpe ,prova disso são os próprios ministros ligados ao presidente interino Michel Temer que saíram

  • AJ Melo

    Entrar com pedido de impeachment é uma coisa, a câmara dos deputados aprovar é outra, ela é que decide se aprova ou não. No caso atual ficou claro, pelo teatro e pelo palanque político, que foi aquela votação da câmara, que se trata de um golpe. Pegaram o PT como “boi de piranha” (como disse o próprio JUCÁ), ou seja, os políticos do PT são os únicos envolvidos em corrupção? Que os culpados respondam pelos seus erros mas, fazer o que estão fazendo com o país é no mínimo nos chamar de “bobos”.

  • Gilberto

    GUARDEM O NOME DESTE CALHORDA Ô POVO BRASILEIRO.