Na véspera de votação sobre reajustes, Rollemberg convoca base aliada para reunião

Publicado em CB.Poder
Ana Viriato
O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) convocou a base aliada da Câmara Legislativa para uma reunião na Residência Oficial, nesta quarta-feira (11/1), às 19h. O encontro seria realizado poucas horas antes da votação do projeto de decreto legislativo que, se aprovado, pode derrubar os reajustes nas tarifas de ônibus e do metrô, impostos pelo Executivo local no último dia útil de 2016. Depois de apenas três distritais confirmarem presença, Rollemberg desmarcou o encontro.
Até o fechamento desta matéria, o CB. Poder conseguiu contato com 16, dos 24 parlamentares do colegiado. Treze distritais demonstraram apoio à revogação da revisão tarifária; as assessorias de imprensa de Juarezão (PSB) e Cristiano Araújo (PSD) anunciaram que os deputados estarão ausentes; e Lira (PHS) afirmou que revelará o posicionamento apenas no momento da votação.
Para entrar em vigor, o projeto de decreto legislativo precisa do consentimento da maioria simples em plenário. O quórum mínimo para deliberação é de 13 parlamentares. Caso a resolução seja aprovada, terá validade a partir da publicação no Diário Oficial do DF.
 
Debate
Rodrigo Rollemberg teve dois encontros oficiais com os deputados para discutir o reajuste das passagens. Durante os encontros, os parlamentares assumiram o compromisso de revisar, junto ao colegiado da Câmara, logo no início de fevereiro, projetos que concedem gratuidade no transporte candango. E comprometeram-se, ainda, a destinar R$ 50 milhões, provenientes de sobras parlamentares, ao Palácio do Buriti, caso o governo suspendesse por 15 dias os efeitos da resolução.
Rodrigo Rollemberg, entretanto, alegou que a situação é inviável. Segundo o chefe do Palácio do Buriti, só há em caixa R$ 173 milhões para subsidiar o transporte este ano, valor suficiente para a manutenção do serviço até o fim de março. O governador, aliás, afirmou que, caso a Câmara aprove o projeto de decreto legislativo, recorrerá à Justiça para manter a revisão.
 
Confira como os deputados distritais pretendem votar:
Agaciel Maia (PT) – O CB.Poder não obteve retorno até o fechamento desta matéria
Bispo Renato Andrade (PR) – O CB.Poder não obteve retorno até o fechamento desta matéria
Celina Leão (PPS) – Vota pela derrubada do decreto
Chico Leite (Rede) – Vota pela derrubada do decreto
Chico Vigilante (PT) – Vota pela derrubada do decreto
Cláudio Abrantes (Rede) – Vota pela derrubada do decreto
Cristiano Araújo (PSD) – Ausente
Joe Valle (PDT) – Vota pela derrubada do decreto
Juarezão (PSB) – Ausente
Julio Cesar (PRB) – O CB.Poder não obteve retorno até o fechamento desta matéria
Liliane Roriz (PTB) – Vota pela derrubada do decreto
Lira (PHS) – Revelará o voto nesta quinta-feira
Luzia de Paula (PSB) – O CB.Poder não obteve retorno até o fechamento desta matéria
Israel Batista (PV) – Vota pela derrubada do decreto
Reginaldo Veras (PDT) – Vota pela derrubada do decreto
Rafael Prudente (PMDB) – Vota pela derrubada do decreto
Raimundo Ribeiro (PPS) – Vota pela derrubada do decreto
Ricardo Vale (PT) – Vota pela derrubada do decreto
Robério Negreiros (PSDB) – O CB.Poder não obteve retorno até o fechamento desta matéria
Rodrigo Delmasso (Podemos) – O CB.Poder não obteve retorno até o fechamento desta matéria
Sandra Faraj (SD) – O CB.Poder não obteve retorno até o fechamento desta matéria
Telma Rufino (PROS) – O CB.Poder não obteve retorno até o fechamento desta matéria
Wasny de Roure (PT) – Vota pela derrubada do decreto
Wellington Luiz (PMDB) – Vota pela derrubada do decreto
  • Lucho

    Não fazem mais que sua obrigação ao ser contra essa afronta ao povo, sobretudo, àqueles que utilizam o transporte público e àqueles que empregam pessoas no comércio local, que passa por muitas dificuldades.

    • Jacynto Rego

      O povo vai pagar de qualquer jeito, pois o subsídio à passagem sai do bolso do contribuinte. A diferença é que se aumentar a passagem apenas quem usa o transporte passará a pagar mais (lembrando que o subsídio continuará, só que um pouco menor).

      • Lucho

        Sim. O povo sempre pagará, assim como paga os inúmeros auxílios aos distritais e a outros marajás. A CLDF tem de derrubar esse aumento IMPOSTO na virada do ano e que onera tanto o trabalhador e os empresários. Além disso, o GDF tem de fiscalizar quem usa o cartão indevidamente ou burlando o sistema. Assim como o GDF tem de fiscalizar essas empresas, sobretudo as quais já maquiaram as planilhas de gastos.
        O que complica é a falta de gestão e não a concessão do benefício.