CBPFOT020120190216 02/01/2019. Crédito: Arthur Menescal/Esp.CB/DA.Press. Brasil. Brasília. CB Poder - Deputado Rodrigo Delmasso.

Rodrigo Delmasso costura parceria com o BRB para a gestão do Fundo de Assistência à Saúde

Publicado em Eixo Capital

A Câmara Legislativa começou a costurar, ontem, uma parceria com o Banco de Brasília (BRB) para a gestão do Fundo de Assistência à Saúde dos Deputados Distritais e dos Servidores da CLDF (Fascal), que tem hoje deficit acumulado de R$ 14 milhões. A ideia é que o BRB assuma o plano de saúde da Casa. “A ideia é economizar, é uma política de austeridade. O BRB tem toda estrutura e condições para nos ajudar com isso sem que o servidor perca benefícios”, diz o vice-presidente da Casa, Rodrigo Delmasso (Republicanos).

Como vai funcionar a parceria com o BRB?
Tivemos a primeira reunião nesta sexta, uma conversa incipiente, e vamos começar um estudo para verificar a possibilidade de o BRB assumir o nosso plano de saúde. A ideia é economizar. É uma política de austeridade. O BRB tem toda estrutura e condições para nos ajudar com isso sem que o servidor perca benefícios. Com essa parceria, usaríamos a rede credenciada do BRB Saúde.

Existe um prazo para que a parceria se concretize?
O grupo de trabalho vai ser instituído na quarta-feira e definir um prazo para esse estudo ser concluído. A minha ideia é de que, antes de junho, tenhamos tudo desenhado e os servidores não percam o plano de saúde. O que precisamos é reduzir os custos.

O convênio com o BRB é uma saída definitiva para o problema do Fascal?
Não vou dizer que seria definitivo porque ainda precisamos concluir o estudo e passar para avaliação dos outros deputados. Mas acho que esse é o caminho. Na minha visão, é uma proposta que é quase definitiva. O principal ponto é a redução de gastos. A Câmara não vai mais aportar recursos superiores como fez no passado.

O que levou a esse deficit acumulado de R$ 14 milhões?
Acredito que a falta de governança. Tanto que implementamos o sistema de governança em 2019 e, na primeira vez da história do Fascal, tivemos um superávit, mas queremos economizar mais ainda sem que os servidores percam o benefício. Vamos tirar os excessos, mas os servidores não perderão benefícios e poderão ficar com plano até melhor porque o BRB, além de ter uma rede credenciada no DF, tem uma rede nacional muito boa. Além disso, o Fascal não está indo para a iniciativa privada, vai do legislativo para um banco do governo.

A ideia de estender a ex-servidores e deputados será deixada de lado?
Vai ser deixada de lado porque essa solução com o BRB vai trazer economia e não será necessário ter essa outra discussão. Isso está descartado.

O senhor disse que houve um mal entendido nessa proposta de ampliação. Qual foi?
O mal entendido é porque foi colocado como privilégio e não era. Para o ex-servidor ou ex-deputado ter direito, precisaria pagar. A ideia era só ampliar o escopo de arrecadação. Mas, houve essa interpretação da sociedade e como somos a Casa do povo, buscamos esse outro caminho na parceria com o BRB.