aquecimento-global (2) Fonte: Independent.uk

Aquecimento global: um evento natural ou antropogênico?

Publicado em

Por: Bruna Ribeiro

Atualmente, há muitas divergências a respeito das reais causas do aquecimento global e das mudanças climáticas que vêm ocorrendo no planeta Terra. Muitas pessoas, inclusive cientistas, ainda acreditam que não haja influência humana nesses eventos, que eles acontecem naturalmente e independem de nossas ações. Mas é preciso analisá-los com cautela para poder realmente entender o que acontece no nosso planeta e o que podemos fazer para minimizar os efeitos sobre nós, seres humanos, e sobre todos os seres vivos.

Ao longo de toda a história, a Terra, por bilhões de anos, passou por diversas fases extremas de calor e frio até chegar às condições de hoje e oferecer um ambiente favorável à vida. O aquecimento do planeta é um evento natural proporcionado pelo efeito estufa, que mantém as temperaturas mais amenas e saudáveis. Se não tivesse esse fenômeno, provavelmente as formas de vida na Terra seriam bem reduzidas, pois as condições não seriam tão favoráveis. Estima-se que a temperatura média do planeta seria 30 ⁰C menor. O efeito estufa é um evento que acumula alguns gases na nossa atmosfera, entre eles vapor de água (H2O), dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e óxido nitroso (N2O). Esses gases são essenciais para o nosso clima, mas como eles interferem nisso? O sol emite radiações em várias faixas de comprimento de onda, que chegam até a superfície da Terra. A superfície absorve cerca de 51% dessa radiação e converte o restante em radiação infravermelha (calor). Quando essa radiação chega à atmosfera para ser dissipada de volta ao espaço, esses gases acabam retendo parte da mesma, emitindo calor. Dessa forma, o planeta mantém temperaturas amenas e benéficas para a vida.

Contudo, nas últimas décadas, vêm-se observando um aumento significativo nas temperaturas do planeta, que trazem consequências negativas para todos os seres vivos. A intensificação do aquecimento do planeta está relacionada com a maior liberação de gases do efeito estufa pelo homem. Ao longo da história geológica da Terra, grande quantidade de dióxido de carbono (CO2) se tornou biomassa a partir de plantas e ficou armazenada em combustíveis fósseis por milhões de anos. Hoje, a queima desses combustíveis para produzir energia traz de volta à atmosfera todo esse carbono estocado durante tanto tempo. A quantidade de CO2 na atmosfera aumentou cerca de 30% desde a Revolução Industrial.

As florestas e algas continuam absorvendo grande parte desse C02, pois precisam dele para realizar seus processos de fotossíntese, mas a quantidade desse gás liberado na atmosfera é muito maior do que a capacidade das florestas de assimilá-lo. Dessa forma, o desmatamento desregrado também contribui diretamente para o aquecimento global. Além disso, os outros gases também se relacionam com esse aumento das temperaturas. O metano, por exemplo, é produzido na digestão de animais ruminantes, como o gado, e tem potencial de aquecimento até 25% maior que o gás carbônico. O óxido nitroso é liberado também pela queima de combustíveis fósseis e chega a ficar 200 anos na atmosfera.

Assim, é preciso perceber que nossas ações realmente estão interferindo nas mudanças climáticas do planeta e que precisamos dar uma atenção especial a isso. Algumas pequenas atitudes podem ser tomadas no nosso dia-a-dia para diminuir esses impactos, entre elas: reduzir o uso de veículos automotivos; utilizar mais o transporte público ou bicicletas ou andar a pé; diminuir a produção de lixo, pois os lixões também são grandes centros de liberação de metano; ter um consumo de energia mais consciente, entre outros. Uma pequena mudança diária na vida de cada um já pode fazer uma grande diferença na conservação do nosso planeta. Mas para isso, é preciso uma transformação no nosso modo de pensar e se relacionar com os outros e com o nosso meio.