Cropped image of man showing stop gesture and refusing to drink Cropped image of man showing stop gesture and refusing to drink

Pesquisa aponta alteração no DNA devido ao consumo de álcool.

Publicado em
Cropped image of man showing stop gesture and refusing to drink

Uma pesquisa realizada por pesquisadores da Universidade de Rutgers nos Estados Unidos apresentou resultados surpreendentes. Segundos os cientistas mostraram que o álcool pode alterar o DNA, levando as pessoas a terem mais vontade de beber.
As análises com os genes de consumidores considerados moderados de álcool e consumidores excessivos, os que bebem constantemente uma grande quantidade de álcool em um espaço curto de tempo, mostrou que o último grupo tiveram dois genes modificados sob a influência do álcool. O nome desse processo causado pelo álcool é chamado metilação. Como resultado ocorre uma mudança no relógio biológico do organismo e uma resposta mais suscetível ao estresse, e o que é considerado mais grave, o aumento à vulnerabilidade ao álcool devido essa alteração no material genético. O aumento do estresse leva as pessoas a buscarem mais a bebida, criando-se assim um “círculo vicioso”. Quanto mais se bebe álcool, maior a necessidade de ingerir bebidas.
Segundo Dipak Sarkar, um dos pesquisadores, “Descobrimos que pessoas consomem muito álcool estar mudando seu DNA de uma forma que as faz querer beber ainda mais. Isso ajuda a explicar porque o alcoolismo é um círculo tão poderoso. Podemos também, algum dia, contribuir para novas formas de trata-los ou ajudar na prevenção para que as pessoas não se viciem no álcool.
Com essa pesquisa, existe a esperança na criação de testes com biomarcadores (indicadores biológicos, com base em proteínas ou em genes modificados). A busca pela prevenção contra uma pessoa se tornar um consumidor excessivo de álcool é um dos principais objetivos.