thumbnail-5 crédito BS Fotografia

Entrevista com Lenine sobre Educação e seu mais novo projeto o “Em Trânsito”.

Publicado em

Lenine esteve em Brasília, na última quinta-feira (05/07), apresentando seu mais novo álbum “Em Trânsito” no evento Na Praia, e nos concedeu uma entrevista.

BSN – Qual o astral de estar em Brasília novamente apresentando um trabalho novo?

Lenine – É uma estrutura muito bacana. Estou participando pela primeira vez e já soube que acontece há alguns anos e confesso que fiquei muito feliz com o convite. Estou com um projeto novo e me sinto um “pai babão”.

BNS- O que podemos esperar do “Em Trânsito”, seu novo álbum?

Lenine – Eu tenho esse aspecto familiar que permeia tudo o que eu faço. No “Em Trânsito” eu pude focar nesse coletivo de músicos que já me acompanham há muitos anos em tudo que eu faço. O meu prazer está no palco. O disco sempre foi um pretexto para eu chegar no palco. Dessa vez eu já fui direto para o palco. Esses músicos dividem comigo à assinatura do que produzo. Por isso sou esse “pai babão”.

BSN – Qual o objetivo desse seu novo projeto?

Lenine – Ao longo desses anos eu descobri que o importante não é chegar em lugar nenhum. O importante é o caminho que você escolhe. Isso que me dá prazer em 35 anos. Depois de tantos anos a gente vai ficando meio rabugento (risos).

crédito BS Fotografia
crédito BS Fotografia

BSN – As letras das suas músicas são muito utilizadas por vários professores. Como você se sente sendo referenciado no meio educacional?

Lenine – Acredito que o que faço vai além do entretenimento. Isso é o cerne da questão. A quantidade de professores que chegam a mim de várias áreas como Geografia, Física, Matemática e várias outras para me agradecer e revelar que usam o meu trabalho para ensinar é contagiante. Eu acho isso tão bacana, porque confirma para mim a expectativa que eu tenho de participar de uma crônica planetária. A gente que está fazendo alguma coisa, deixa um testemunho. Eu quero ter essa sensação do que estou fazendo é um retrato, e que com o passar dos anos as pessoas possam entender como era esse nosso tempo.

BNS – Em 2010 caiu no Enem uma questão com sua música que fala sobre a preocupação com o trânsito nas cidades. Como você recebeu o retorno pós-exame?

Lenine – Eu quero que as pessoas, que seja 2% do povo que assiste meu show, quando eles retornarem para casa possam refletir sobre como eu tento falar algo relevante, e assim, possam rever pontos importantes para elas. Fazer o que eu faço foi uma possibilidade de contribuir com um futuro melhor. Eu sou romântico demais e acredito nessa ferramenta chamada educação. Como você bem lembrou eu trabalho com muita gente, que me faz acreditar que o “criar junto” é uma ferramenta de aproximação.

BNS – Lenine para encerrar, deixe uma mensagem para nós professores.

Lenine – Para todos os professores, obrigado! Pois vocês são uma plataforma de divulgação do meu trabalho tão lindo, tão belo e verdadeiro que me deixa poderoso.

Agradecimentos à assessoria de imprensa da R2 Producões.