Um partido zumbi

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960 Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Charge do Fernandes (caricaturasfernandes.blogspot.com)

Só há uma maneira eficaz para o Partido dos Trabalhadores sobreviver aos novos tempos: desligar a legenda do lulismo. Ou é isso ou será como abraço de afogados. Ainda há tempo para a adoção dessa medida. O problema é que, dentro do partido, a tendência majoritária descarta essa opção por um motivo simples e prosaico: as principais lideranças petistas de expressão nacional ainda são praticamente as mesmas, desde o primeiro Lula e dele obtiveram os maiores benefícios legais e ilegais.

Nesse sentido, livrar o partido de seu fundador, saneando a sigla com um bem estudado mea-culpa, o que parece impossível, ainda são possibilidades distantes. Com isso, pouco importa à legenda possuir ainda um número expressivo de deputados eleitos. Fora das quatro paredes do Congresso, interessa aos políticos que vieram na onda da renovação, mostrar para os eleitores que não irão decepcioná-los, aliando-se aos adversários das urnas.

Na verdade, quem não é do PT ainda não sabe disso. Quem alçou Bolsonaro ao poder foi justamente o Partido dos Trabalhadores, ou, mais precisamente, a rejeição tremenda a essa legenda e ao seu programa, sobretudo, a sua maior liderança, hoje condenado e preso por crime comum. Com isso, restam poucas possibilidades ao partido de voltar a emergir por conta própria, mantendo o mesmo modus operandi e atado à figura de Lula. É certo que a figura de Lula encolheu muito, sobretudo nos anos finais do governo Dilma.

Sobre esse ponto, vale salientar que Dilma, foi, entre todos, a principal coveira de Lula, por seu governo pífio e surreal. Obviamente que o maior responsável pela derrocada de Lula, não foi outra pessoa se não ele mesmo, esmagado pelo peso do próprio ego. De outra forma, é preciso meditar sobre uma possível sobrevida dessa legenda, com uma pergunta básica: a quem interessa a sobrevivência do PT?

Alguns argumentarão que isso interessa à democracia. Outros encontrarão, nessa resposta, uma contradição básica. Pelo desempenho ao longo de mais de treze anos, esse partido demonstrou total desprezo pela democracia e pelos seus ritos, guiando sua conduta unicamente pela ideia de perpetuação da legenda no poder.

Democracia popular é um outro nome para a ditadura de esquerda que usa do pretexto de governar com a população para usurpar do poder. Os apoios irrestritos dados por essa legenda a ditaduras como Venezuela, Cuba e outras exemplificam bem essa postura. Quando a inteligência é substituída por fanatismo, nada de racional se pode esperar pela frente. Ao colocar Lula, Marx e outras figuras do comunismo lado a lado no altar da adoração ateia, o que as atuais lideranças dessa legenda vêm conseguindo é atrair a ira santa dos brasileiros.

Em uma das suas últimas peregrinadas pelo Sul do país, a bordo de uma caravana improvisada que visava alavancar sua candidatura, Lula pode testemunhar, ao vivo e in loco, a tremenda rejeição da população, fato que, por pouco não acabou em maiores incidentes. Dessa forma, atar o destino de uma legenda que, até pouco tempo, era uma das maiores do país, à figura de um condenado por crime comum é suicídio.

Lula é hoje a maior liderança apenas para sua própria claque. Reconhecer esse fato triste para história política do Brasil é um modo de libertar o partido de um passado recente repleto de malfeitorias. O mais difícil é convencer essas velhas lideranças que ainda aí estão de que o antigo partido morreu. Querer ressuscitá-lo de qualquer forma e sem uma visão clara por novos caminhos é transformá-lo numa legenda zumbi a arrastar correntes pelos corredores do Congresso, amedrontando as pessoas.

 

A frase que não foi pronunciada:

Ópera Fantasma – Nada tenho. Nada me pode ser tirado. Eu sou o ex-estranho, o que veio sem ser chamado e, gato se foi sem fazer nenhum ruído

Paulo Leminski

 

Educação

Aos poucos, cidadãos do país se beneficiam da educação à distância promovida pelo Poder Legislativo. Milhares de pessoas foram formadas por essa modalidade de curso.

Foto: Divulgação/MCTIC

Certo

Disse Lasier Martins, o autor do projeto que acaba com o voto secreto no Senado para a eleição da presidência, vice-presidência, secretários e suplentes da Mesa Diretora e presidentes e vices das comissões da Casa:

“Nunca deve ser esquecido que os parlamentares são meros representantes do povo e, quando votam, estão exercendo a delegação popular que o voto lhes concede. É injustificável que haja deliberações secretas no Congresso Nacional, na medida que isso significa ocultar do representado aquilo que o representante está fazendo em seu nome. Trata-se de agressão contra o cidadão, que o impede de exercer o seu inalienável direito de fiscalização da atuação de seu representante”.

Charge do Mário, reprodução da Tribuna de Minas

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

O governo preste atenção para uma coisa: inicia-se, hoje, em Fortaleza, o primeiro Congresso de Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Ceará. (Publicado em 08.11.1961)

A mais penosa e gratificante das reformas

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Charge: ambientelegal.com.br

Timing, uma expressão da língua inglesa, ganhou, entre nós, um significado além daquela proposta pela palavra em sua origem. Entre os brasileiros, a expressão passou a significar aquele que age no tempo certo, em sintonia com as demandas do momento. Foi justamente o que aconteceu agora com a eleição de Jair Bolsonaro. Não se sabe se consciente dessa atitude ou não. O fato é que apresentou sua candidatura à presidência mesmo contra todas as probabilidades e contra a previsão dos principais órgãos de pesquisa de opinião e de grande parte da imprensa televisiva, radiofônica e impressa.

Venceu com um discurso direto e sem rodeios, falando exatamente o que os eleitores queriam ouvir naquele momento. Pode ser que os ventos mudem, mas até lá terá feito seu trabalho. Nesse sentido, Bolsonaro teve o timing preciso e se destacou dos demais concorrentes e quase sendo eleito ainda no primeiro turno.

Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS

Se de certa forma foi uma vitória fácil e de baixo custo, o desafio que terá pela frente será ciclópico. Bolsonaro sabe, e já disse, que se falhar nessa missão, as chances do Partido dos Trabalhadores, ou mais precisamente o lulismo, retornar são imensas e ele voltará ainda mais assanhado e arrasador. O futuro presidente sabe também que serão feitas todas as tentativas possíveis, lícitas ou não, para desestruturar sua gestão nos próximos anos. É do seu conhecimento também que a imensa rejeição ao lulismo, empurrou boa parte do eleitorado ao encontro de sua pregação.

Dos enormes desafios que terá pela frente, um se destaca como o fundamental e que poderá garantir, inclusive, sua reeleição. Trata-se de uma tarefa por demais delicada e que pode acarretar muitas críticas e dissabores, mas que se faz premente, se quisermos, algum dia, ocupar um lugar de destaque no mundo das ciências. Para tanto, terá que contar com a assessoria dos melhores e mais bem preparados auxiliares.

A reforma das universidades públicas é hoje o maior e mais sensível desafio de todos. Já se sabe que o conhecimento científico é um dos principais referenciais de riqueza de uma nação. País rico é aquele que produz hoje ciência e tecnologia. O problema maior nesse caso, e mais urgente, é descontaminar ideologicamente as universidades públicas, livrando-as dos grilhões obtusos de uma esquerda anacrônica, que usa essas instituições como braços avançados de partidos radicais. Deixando claro que há exceções.

Quem visita hoje qualquer universidade pública no país se depara com o caos, com a depredação, com as invasões, com as paralisações constantes dos trabalhos, com alunos semianalfabetos que só sabem repetir refrães gastos e sem sentido.

Foto: aluizioamorim.blogspot.com

Ademais, é preciso reforçar, lembrar e cobrar o fato de que essas instituições são bancadas pelos contribuintes. Obviamente que não se trata aqui de retirar das universidades a pluralidade de pensamento, necessária e fundamental para o desenvolvimento de toda e qualquer ciência. Que não venham com inversão dos sentidos semânticos. Sugestão de leitura: A corrupção da inteligência, de Flávio Gordon.

Quem viaja pelo mundo, e mesmo os estudantes bolsistas, se assusta com a qualidade das universidades estrangeiras, principalmente com a ordem interna adotada pelas reitorias. Não há depredação do patrimônio, não há evasivas para não assistir aulas. Professores e alunos produzem e são constantemente cobrados.

Não surpreende, pois, que esses países ostentem altos níveis de ensino e são detentores da maioria dos prêmios Nobel do mundo. Tristemente, o Brasil, pelo seu tamanho e importância, não sabe o que é e qual a importância dessa premiação.

De saída, uma boa medida seria o estabelecimento de um novo teto salarial, que passaria a ter como referência o salário de um professor ou pesquisador universitário, com dedicação exclusiva e no final de carreira. É um parâmetro justo para quem orientou e instruiu nossas autoridades e líderes.

Quando o país passar a adotar esse novo referencial, as coisas vão mudar, com todos voltando a desejar e respeitar a profissão de educador. Antes, contudo, é preciso fazer uma faxina geral nessas instituições, demitindo e jubilando professores e alunos que não fazem jus ao que recebem. Dispensar aqueles que os contribuintes desembolsam para bancar os privilegiados.

Ou é isso ou continuaremos patinando na lama por mais um século, vendendo milho e soja como feirantes do planeta, isso em pleno século XXI.

 

A frase que foi pronunciada:

“Se então um fim prático deve ser atribuído a um curso universitário, eu digo que é o de treinar bons membros da sociedade… É a educação que dá ao homem uma visão clara e consciente de suas próprias opiniões e julgamentos, uma verdade em desenvolvê-los, uma eloquência em expressá-los e uma força em exortá-los. Ensina-o a ver as coisas como elas são, ir direto ao ponto, desenredar um misto de pensamento para detectar o que é sofista e descartar o que é irrelevante ”.

– John Henry Newman, a ideia de uma universidade

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

PS.: A Embaixada de Israel quer saber a razão do título da nota “Atiradores”, na coluna do dia 04/11/2018. Eu não sei porque o título não foi dado por mim.

E mais: os parafusos da chapa são por conta do proprietário do carro. Então acontece isto: ou a chapa é presa com arame, ou o proprietário do carro terá que procurar o Paraguaio para lhe vender seis parafusos, que custam 60 cruzeiros. (Publicado em 04.11.1961)

Personalismo transforma os partidos políticos em pessoa física

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Charge: Diego Novaes
Charge: Diego Novaes

            Por maiores e mais inspirados que sejam os poderes da imaginação em compor um enredo ficcional, nenhuma genialidade literária é párea para nossa realidade diária. Nas últimas décadas, o desenrolar agitado dos fatos vem tirando o fôlego de muitos brasileiros que acompanham de perto nossa trama histórica e surreal. Até mesmo os analistas mais argutos se veem em dificuldades para explicar, de forma didática, a sequências de eventos inusitados e fantásticos.

            Para o espectador comum, desde a primeira hora que marcou o regresso da democracia, não houve um dia sequer sem que fatos extraordinários e fora do normal acontecessem, numa espécie de roda gigante. Para os observadores externos nosso cotidiano é intraduzível e segue a mesma dinâmica exótica dos países longínquos, perdidos no tempo e no espaço.

         De fato, desde 2003, quando a estrela vermelha foi hasteada no cimo do Palácio do Planalto, enfeitando inclusive os jardins do Alvorada, o protagonismo central dos acontecimentos nacionais foi, numa primeira etapa, do Partido dos Trabalhadores, e mais tarde, após os mega escândalos do mensalão e do petrolão, passou a ficar focado apenas no líder supremo, que transformou e reduziu os esforços da esquerda em um movimento personalíssimo, com carteira de identidade e impressão digital.

             Com isso, o lulismo, ao substituir a pessoa jurídica da legenda por uma pessoa física, tomou a dianteira de um partido ferido de morte, assumindo, praticamente sozinho e diretamente de dentro do cárcere, todo o protagonismo dessa que é a mais agitada eleição de toda a nossa história. Engana-se quem acredita que, com as últimas decisões dos ministros do STF, o lulismo tenha saído definitivamente do jogo. Pouco antes de ser preso, o próprio Lula já avisava que ele era resistente como uma jararaca e não seria qualquer golpe que o tiraria do jogo político.

          Depois disso, um outro aviso mais enigmático surpreendeu a todos. “Eu não sou um ser humano, sou uma ideia”, proclamou um Lula onipotente. Com isso o que se observa é que a Operação Lava Jato, de fato, não prendeu um personagem físico, mas uma ideia. Daí talvez venha a facilidade para continuar a expor suas orientações.

            Seguindo a trilha desse realismo fantástico, não seria de todo espantoso se o ex-presidente, numa cartada final, viesse a lançar novamente o nome de Dilma Rousseff como cabeça de sua chapa, deslocando Haddad para vice.  Com o poder de votos maior do que o do próprio Haddad, Dilma retornaria como uma espécie de vingadora, voltando ao centro do tabuleiro político, embaralhando e transformando em pó uma trama complexa e surpreendente.

             Fosse o ex-prefeito de São Paulo, seguramente, um campeão de votos, há muito teria recebido a benção final de seu padrinho e partido para a disputa renhida. Mesmo faltando pouco mais de vinte dias para as eleições, do ponto de vista de nossa realidade surpreendente, muito ainda pode acontecer, mudando a direção dos ventos e comprovando, uma vez mais, que a realidade de nosso país supera a força da imaginação.

           Nesse contexto, mesmo o impensável atentado sofrido agora pelo candidato da direita, com toda a repercussão que pode provocar nessas eleições, acaba por se transformar, nessa trama principal, apenas num subenredo, que corre paralelo, rumo ao final dessa saga, que certamente será inusitada e impensável, mas que explica boa parte dessa nossa democracia lunática.

A frase que foi pronunciada:

“Democracia com fome, sem educação e saúde para a maioria, é uma concha vazia.”

Nelson Mandela

Charge: tribunadainternet.com.br
Charge: tribunadainternet.com.br

Intercâmbio

Maior feira de intercâmbio da América Latina, o Salão do Estudante chega ao Brasil no mês de setembro, em sete capitais do País. O objetivo do evento é proporcionar contato direto entre os estudantes e representantes de reconhecidas instituições de ensino internacionais e escolas de idiomas de diversas partes do mundo, bem como com as melhores agências de intercâmbio do Brasil. O atendimento personalizado facilita tirar todas as dúvidas antes de tomar uma decisão. Em Brasília, no sábado, 22 de setembro, das 14h às 18h30, no Centro de Convenções Brasil 21.

Cartaz: facebook.com/Estudenoexterior
Cartaz: facebook.com/Estudenoexterior

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Queremos denunciar à Assessoria de Planejamento da Prefeitura, e ao serviço de Fiscalização, a existência de casas de alvenaria na Superquadra 304. É preciso que se investigue de quem partiu a ordem para a construção dessas casas num canteiro de obras. (Publicado em 29.10.1961)