Escola sem partidarismos

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Banner: programaescolasempartido.org

Ninguém hoje tem a menor dúvida de que as discussões em torno da chamada Escola sem Partido nasceram no seio da sociedade brasileira, preocupada com disseminação progressiva e insidiosa dos ideais contidos nas cartilhas marxistas, mormente nas orientações de Gramsci, quanto a necessidade de solapar as bases da família tradicional e assim preparar o terreno para a implantação do comunismo.

Transformadas em braços avançados dos partidos de esquerda, nossas escolas vêm sendo, há mais de uma década, utilizadas como sementários para a implantação dessas ideias alienígenas, obsoletas e retrógradas. Um bom exemplo desse trabalho de desestruturação paulatina dos processos de ensino pode ser observado na maioria de nossas universidades públicas. Hoje quem adentra em qualquer um desses estabelecimentos de ensino superior, bancado pelo pobre do contribuinte, nota, de cara, a deterioração não só do ambiente físico, mas se assusta sobretudo com a hostilidade com que as massas estudantis e alguns professores tratam todos aqueles que ousam pensar diferente.

A simples alusão a símbolos nacionais como a bandeira, já é motivo de linchamento moral e físico. O problema maior é que a discussão em torno da Escola sem Partido, uma questão que envolve múltiplos aspectos da complexa ciência da educação, está hoje em mãos de pessoas absolutamente sem o devido preparo para um debate desse nível.

Deixar um debate dessa importância entregue em mãos de políticos, muitos dos quais sub letrados e abduzidos por ideologias, além de perda de tempo, pode resultar em proposições ainda mais esdrúxulas e contrárias ao que realmente deseja a maioria da população.

Trata-se de uma discussão que, em muitos aspectos, avança muito além da realidade da maioria das escolas do país. Falar em Escola sem Partido, quando se sabe que muitos desses estabelecimentos espalhados pelo Brasil não possuem, sequer, paredes, telhado, banheiro e carteiras, é como começar a construção de um alto edifício pela cobertura. Nos vários rankings que avaliam a qualidade do ensino pelo planeta, nos quais o Brasil aparece sempre na lanterna, já está mais do que provado que os problemas que afligem hoje a educação brasileira são de outra natureza, muito mais básicos e urgentes.

O fato concreto é que a sociedade está a exigir correção de rumos. Para isso, os contribuintes já desembolsaram até agora, segundo os números do Impostômetro, aproximadamente R$ 3 trilhões na forma de impostos, tributos e outras taxas.

 

A frase que foi pronunciada:

“Queres conhecer o Inácio, coloca-o num palácio.”

Barão de Itararé (1895-1971)

Imagem: dannybueno.blogspot.com

De olho

Itapoã Parque vai ser o próximo desastre ecológico que o novo governo chama para si. Mais de 12 mil moradias calculadas sem infraestrutura, sem planejamento. Não há estudo de impacto ambiental, o que seria o mínimo a fazer. Os contribuintes vão ficar de olho nos valores pagos, já que as empreiteiras são as únicas que lucram com esse tipo de negócio.

 

IHB

Por falar nisso, o governador Ibanez deve ter cautela em condenar a priori o modelo de gestão adotado no Hospital de Base. O Instituto Hospital de Base ainda não teve tempo suficiente para concluir se a nova forma de administrar é bem sucedida ou não.

Foto: Minervino Junior/CB/D.A Press

Blitz

Vistoriadas várias UPAs pelo Ministério Público do DF. Irregularidades. Falta de materiais mínimos como algodão, roupa hospitalar, banheiros sem manutenção, Raio X com problemas. Não se pronunciaram sobre a presença ou não do corpo funcional elencado na folha de pagamento.

 

Aedes

Estrela dos recursos públicos consegue mobilizar o caixa, liberando R$1,9 bilhão.

 

Prata da Casa

Michelle Bolsonaro, levará para a nova moradia palaciana seu olhar social e solidário. Se conseguir montar uma boa assessoria, poderá deixar um rastro de luz como primeira dama. Nascida na Ceilândia, Michelle é o orgulho dos brasilienses. Até hoje, nenhum conterrâneo da capital ocupou o palácio.

Foto: oglobo.globo.com

Sem comunicação

Problemas com o portal Mais Médicos para quem tentou ocupar a lacuna deixada pelos cubanos. Fora do ar durante grande parte do dia, o sistema impediu novas inscrições.

Imagem: oglobo.globo.com

 

Buracos

Ainda não apareceu melhor fiscal para verificar a qualidade do asfalto colocado em todo o DF. Basta cair a primeira chuva que a prova é feita. Geralmente o resultado é um desastre.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Pela primeira vez, a imagem da TV Tupi do Rio, em Brasília. É uma vitória dos “Diários Associados”, que inclui o nome de muita gente, e quase dois anos de trabalho. mas como toda batalha tem um general, vamos citar o nome do sr. João Calmon, que acreditou em Brasília desde o início de sua construção, e graças ao seu trabalho nós teremos imagem carioca em Brasília. (Publicado em 05.11.1961)

Mais ou menos médicos

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

Colocar na balança das ideologias políticas a questão do programa da Organização Pan-americana da Saúde (OPAS) Mais Médicos, do governo cubano, ajuda entender apenas parte do problema dos mais de 8 mil médicos que trabalham no Brasil desde 2013, no governo de Dilma Rousseff.

Na verdade, não há apenas uma questão de fundo, mas um conjunto de fatores que fazem desse programa uma questão polêmica que divide opiniões. Observada sob os mais variados pontos de vista, a questão mostra, com riqueza de detalhes, as razões de cada um para manter o programa como está ou para modificá-lo à luz das leis trabalhistas e mesmo dos Direitos Humanos.

Visto a partir da Ilha dos Castros, o programa Mais Médicos é uma excelente e inesgotável fonte de recursos além de um eficaz veículo de propaganda para o regime, capaz de cobrir, com áurea de humanismo, uma das mais longevas ditaduras do planeta. Vista a partir das comunidades esquecidas nos distantes rincões desse país, o programa possui inúmeras facetas vitoriosas, pois foi capaz de trazer um pouco de cidadania a muitos brasileiros perdidos na imensidão desse país. Do ponto de vista das leis trabalhistas, dos Direitos Humanos e mesmo de acordo com a Constituição de 1988, o programa Mais Médicos é uma afronta a legalidade. Nesse sentido custa a crer que o Ministério Público do Trabalho não tenha tomado providências contra o que muitos consideram um trabalho análogo a escravidão.

Escusado é analisar esse programa a partir do ponto de vista dos governos petistas que o introduziram no país. Mas, ainda assim, é preciso salientar que a medida foi adotada sob o estrito e obtuso ponto de vista ideológico, dentro do que muitos acreditam ser mais uma estratégia do tipo gramsciana de difusão dos ideais comunistas a partir das áreas periféricas do país.

Essa suspeita foi reforçada pela imediata ação adotada pelo governo cubano de retirar, às pressas, mais de 200 “assessores” que acompanhavam o programa Mais Médicos, para livrar essa turma de embaraços maiores em caso de uma investigação mais detida sobre o programa.

Desse projeto fica o que talvez seja o mais importante: a necessidade urgente da adoção de medidas que obriguem todos os estudantes de medicina, que se graduaram em universidades públicas, a retribuir, obrigatoriamente, pelo mesmo período de tempo do curso, atendendo em pontos remotos do país, conforme determinação do Ministério da Saúde.

Observado sob a perspectiva dos médicos cubanos, o destaque vai para as centenas de relatos que trazem um denominador comum: o sentimento de liberdade experimentado por muitos desses profissionais que aqui encontram esse que é o mais preciso bem almejado por qualquer ser humano desse planeta.

 

A frase que foi pronunciada:

“Minha família ou a liberdade.”

Dilema no pensamento dos cubanos.

Charge do Amarildo

 

Imperdível

Black Friday na UnB. Na livraria do campus, perto do RU, são mais de 200 títulos a R$10.

 

Novas leis

Parece que as meninas estão em destaque nessa edição do Jovem Senador. O projeto já é sucesso pelo país. 27 estudantes do ensino médio de escolas públicas estaduais, com idade até 19 anos, são selecionados através da redação para vivenciar o trabalho dos senadores em Brasília. Várias sugestões legislativas apresentadas pelos estudantes já foram convertidas em projetos de lei e tramitam nas comissões do Senado. As informações são do Jornal do Senado.

 

Passou!

Só uma opinião para o portal da Escola de Música de Brasília. São tantos os eventos e tão poucos são divulgados. Se a escola adotasse a mesma ênfase na divulgação da Semana do Músico, a comunidade teria maior chance de participar dos concertos. Artistas não se preocupam com isso. Cabe à administração da escola se envolver mais com a publicidade dos eventos.

 

Prêmio

A estação ecológica Águas Emendadas foi reconhecida internacionalmente pela importância na preservação. É o sexto lugar do mundo e o primeiro da América Latina a receber o Escudo de Água e Patrimônio, concedido pelo Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos-Holanda). A cerimônia foi ontem com a presença do governador Rollemberg. Na divulgação, a fala do diretor-geral do Centro Internacional de Água e Transdisciplinaridade (Cirat), Sérgio Augusto Ribeiro, que ressaltou a conexão entre água, cultura e patrimônio no lugar. “Foi feito um relatório técnico sobre a Esecae e destacada a importância histórica para a escolha do sítio na área da capital federal. O título de Patrimônio da Humanidade já foi antes concedido à região pela Unesco”.

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Mas já que o cel. Dagoberto está em Brasília, aqui vai uma: um amigo meu recebeu a comunicação de que havia uma encomenda no Reembolso Postal. Procurou, imediatamente, e recebeu a informação de que já estava esgotado o prazo, e a encomenda havia sido devolvida. (Publicado em 05.11.1961)

A inutilidade crescente dos partidos políticos

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Foto: g1.globo.com/jornal-nacional

Ainda está a carecer de análises sérias e desapaixonadas sobre os fenômenos que propiciaram a eleição acachapante de Jair Bolsonaro para presidente da República. Pelo menos para que os ditos analistas possam entender o ocorrido à luz da ciência política.

Do ponto de vista da população em geral, não há essa necessidade. Ali, os fenômenos dessa magnitude são encarados como decorrentes de forças naturais que simplesmente ocasionam desgaste de pessoas e ideias ao longo do tempo, o que acabam por favorecer candidatos fora do espectro tradicional. Contudo, para o cidadão mais escolarizado e ligado na intensa movimentação política que tem sacudido o país desde 2005, quando estourou o escândalo do mensalão, esses novos fenômenos, de caráter social e global, necessitam ser melhor entendidos.

De saída sabe-se que muitas foram as causas que concorreram para a vitória de Bolsonaro, muitas, inclusive, já examinadas e reviradas por muitos analistas. Colocados sobre a mesa, os principais fatores que concorreram para a vitória de Bolsonaro podem ser reconhecidos a partir do grau de importância nessas eleições. Para surpresa geral, essa disputa eleitoral mostrou que grande soma de dinheiro, seja em malas, cuecas, apartamentos, caixa dois e outras modalidades ilícitas não tem o condão de se sobrepor à vontade livre das urnas. Outra constatação imediata advinda dessas eleições é que as televisões e os institutos de pesquisa de opinião perderam a antiga força de persuasão. Não se sabe ao certo ainda, mas, ao que parece, os bruxos do marketing político, que até aqui ganhavam fábulas de dinheiro fabricado em seus caldeirões políticos sob medida, estarão desempregados doravante.

De fato, o desencanto da população com os partidos e com a classe política atingiu níveis nunca antes experimentados, levando muitos brasileiros a optar por alternativas fora desses nichos tradicionais.

O que não resta dúvida é que foram justamente os partidos políticos, as instituições que mais perderam prestígio e poder nessas eleições. O motivo salta aos olhos. Transformadas, desde a redemocratização, em verdadeiras empresas do tipo “Tabajara”, os partidos políticos, nem de longe, conseguem atender hoje as demandas democráticas de uma sociedade que evolui muito mais veloz do que esses organismos monolíticos.

 

A frase que foi pronunciada:

“A ideologia instaura uma cisão entre a realidade e os conceitos, arranca as ideias de seu enraizamento orgânico na realidade, e assim petrifica o pensamento para controlar as pessoas.”

Ernesto Araújo, futuro ministro das Relações Exteriores

Charge: ouniversitario.saojeronimo.org

 

No mínimo

Ibram continua em silêncio em relação ao lixo do Paranoá Parque levado pelas águas da chuva até uma nascente no Setor de Mansões do Lago Norte. É preciso que o SLU amplie o projeto papa entulho naquela região para que os moradores descartem material em desuso em local apropriado.

 

Bem representado

Marcos Linhares, reconduzido na presidência do Sindicato dos Escritores de Brasília, vai criar o Instituto Distrital do Livro. Outra iniciativa é que escritores regionais sejam citados nas provas de vestibular. Há também a ideia de uma criação literária colaborativa na Biblioteca Maria da Conceição Moreira Salles. Veja as fotos da nova diretoria no blog do Ari Cunha.

 

Deu certo

Vale conhecer a simpática loja Bananika, na 205 Norte, bloco C, da arquiteta Priscila Martins Costa. Brinquedos inteligentes, ambiente agradável. O local abriga peças de diversos parceiros com venda colaborativa.

Fotos: facebook.com/lojabananika

 

Para inglês ver

Depois da urna eletrônica, o mais difícil de acreditar nas últimas eleições foi a cota para mulheres. Vale uma pesquisa acadêmica sobre a realidade do assunto. Os conchavos da base dos partidos e a vontade dos chefões das siglas se sobrepõem à qualidade dos candidatos.

 

De graça

Nessa sexta-feira, dia 23, por volta das 18h30, Oliveira das Panelas fará um show com entrada franqueada ao público na antiga Ascade, 610 Sul. A programação é do Sindilegis. O compositor, poeta, cantor e repentista será antecedido no palco por Nonato de Freitas, que fará um breve histórico sobre a cantoria: da Grécia à Serra do Teixeira, na Paraíba. Veja um pouquinho de Oliveira das Panelas no blog do Ari Cunha.

 

Greve

Alimentação dos alunos e limpeza das escolas comprometidas com a falta de pagamento. O GDF garante que o repasse foi feito e que o salário dos funcionários é de responsabilidade das empresas contratadas pelo governo.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Brasília tem tudo para possuir um serviço exemplar de Correios. Basta que o DCT compreenda isto, aumente o número de agências, humanize o trabalho, higienize o ambiente, e modernize a compreensão que os funcionários têm sobre suas atividades. (Publicado em 05.11.1961)

Terra de ninguém

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Foto: chicosantanna.wordpress.com

A continuação da política que transforma terras públicas em moeda de troca, dentro da mentalidade: “um voto, um lote”, não pode ter prosseguimento sob pena de inviabilizarmos, definitivamente, a capital como sede administrativa do país. É bom lembrar aos senhores políticos que a mentalidade da população também mudou. Ganha-se o lote e vota-se com independência.

Nesse feriado, os bombeiros registraram um número fora do comum de ocorrências de invasões e parcelamentos irregulares de terras, inclusive com venda de lotes em algumas regiões.

Obviamente que tão velhos e sérios problemas não podem ser resolvidos com os mesmos métodos da velha política populista, cuja visão pública de futuro se estende apenas até o horizonte das próximas eleições.

A capital necessita de estadistas e homens públicos comprometidos com o presente e futuro, evitando os erros do passado. A associação entre os interesses de políticos e de empreendedores e especuladores imobiliários precisa cessar imediatamente. Para tanto, a sociedade deve acompanhar de perto e com atenção as discussões sobre a LUOS e o PDOT e outros documentos que visam estabelecer novos padrões de ocupação e construções em todo o Distrito Federal.

Estudos e a própria experiência demonstram que problemas dessa natureza, ao surgir com o verniz falso de problema social imediato, trazem em seu bojo interesses que acabam beneficiando apenas os orquestradores dessas invasões.

 

A frase que foi pronunciada:

“O microempreendedor é muitas vezes um herói solitário. Ele atua sozinho nos desafios, enfrentando a burocracia e nem sempre tem todas as competências necessárias. Todo microempreendedor é um administrador, mas nem todo mundo tem formação em administração.”

Edgard Barki, Coordenador do FGVcenn (Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getúlio Vargas)

Ilustração: bplcontabilidade.com.br

Perigo

Na L2 Norte, no meio fio em frente a Secretaria da Educação, tem um bueiro sem tampa, onde os pedestres sinalizaram de forma improvisada. Um perigo para motoqueiros e ciclistas.

 

Mostra

Está um sucesso a exposição de grafiteiros aberta no foyer da Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional Claudio Santoro. A visitação irá até 25 de novembro. Os trabalhos da exposição Cidade Graffiti são de participantes do Encontro de Graffiti do Distrito Federal. Artistas da cidade e da Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno (Ride) mostram muito talento.

Cartaz: facebook.com/brasiliagraffiti

Parceria

Defesa Civil, Detran, Polícia Militar, DER e Novacap são fundamentais nessa época de chuva. Engarrafamentos poderiam ser facilmente desfeitos se uma ação conjunta fosse rotina. Acontece que em todas as dificuldades no trânsito são enfrentadas pelos motoristas sem suporte das instituições governamentais.

 

Cuidados

Agricultura orgânica. Nome dado aos alimentos sadios bons para a saúde por serem livres de agrotóxicos. Na Alemanha, a regra sanitária verifica constantemente o nível de coliformes fecais nesses vegetais. Há muita gente descuidando na produção.

 

Gratificante

Começou a distribuição das cartinhas ao Papai Noel nos Correios. Funcionários do Senado e de várias instituições públicas e privadas começam a se articular para atender todos os pedidos. Quem quiser participar da entrega é só ver os detalhes no blog do Ari Cunha.

 

Vale conhecer

Pesquisas do Alô Senado ou E-cidadania são interessantes por abranger entrevistados de todo o país, num espectro amplo que mostra ideias de Norte a Sul. O DataSenado é um dos institutos de maior cientificidade nas pesquisas.

Banner: senado.leg.br

Sonho

Consumidores curiosos querem saber se o fato de novembro de 2018 estar sendo o mês mais chuvoso do ano trará algum benefício em descontos de conta de água e luz.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Estou estranhando a demora que o sr. Dagoberto Rodrigues está tratando o assunto do DCT de Brasília. Nós, bem que poderíamos ter um serviço exemplar, com entrega pontual e sem ladrões furtando os valores das malas. (Publicado em 05.11.1961)

Ídolo de barro

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

 

Foto: veja.abril.com.br

 

Desastre. Essa, talvez seja a palavra que melhor defina e resuma o depoimento prestado pelo ex-presidente Lula à Justiça Federal em Curitiba. Durante quase três horas, coube ao ex-presidente exercer sua defesa de forma autônoma, sob o olhar congelado de seu advogado de defesa, acuado com a tática imposta pelo seu cliente parlapatão.

Aos limites intelectuais conhecidos, Lula, como sempre, buscou interpor sua retórica de palanque, na tentativa de enredar a jovem juíza no seu raciocínio circular. Não deu certo. Ao assumir a própria defesa, desde o primeiro depoimento, Lula imaginara, do alto de sua arrogância, que com sua diatribe poderia facilmente dar um nó no processo, inviabilizando o prosseguimento de toda a acusação contra ele, sob o argumento de perseguição política.

Ocorre que uma coisa é a narrativa criada para dar dinâmica à vida política. Outra, é a narrativa que se busca para contornar as penalidades da lei. Nas ruas, a narrativa é feita de imaginação. Nos tribunais, a imaginação fica por conta do veredito do juiz.

Os antigos diziam que não basta ter dignidade para viver. É preciso dignidade também para morrer. Quando lá atrás, reconheceu que “quem conta uma mentira passa a vida inteira mentindo”, Lula não sabia que essa seria exatamente sua sina, diante das muitas evidências reunidas pelas investigações do Ministério Público contra ele.

Com isso, o ex-presidente segue sua ladainha, emendando narrativas por cima de narrativas e, pior, envolvendo um número sempre crescente de outras pessoas, esticando um roteiro, que, a princípio, era só seu. Mal assessorado, mal aconselhado e cercado de fanáticos, Lula não enxerga sua própria existência e as ruínas que vai deixando para trás de si.

Praticamente todos aqueles que cruzaram seu caminho foram arrastados para o seu labirinto. Como um fauno ou um minotauro, Lula tem aprisionado em seu mundo sua família, seus amigos, seu partido, o país e a própria vida. Trata-se de um personagem complexo. Talvez o mais complexo a passar pela presidência da República. De fato, Lula e seu governo simbolizam hoje exatamente o oposto do que a população almeja.

Liberta do labirinto bolivariano, o que a sociedade busca agora é se distanciar desse pesadelo mitológico. Após os episódios do mensalão, os deuses do Olimpo deram uma segunda oportunidade ao ex-presidente de renascer das cinzas. Recomposto, Lula ascendeu ao ponto mais alto da fama e da gloria. O mundo lhe rendeu homenagens. Os pés de barro do grande ídolo não resistiram ao peso das muitas culpas. Lula é hoje apenas uma sombra melancólica de si mesmo.

 

A frase que foi pronunciada:

“O PT é como uma galinha que cacareja para a esquerda, mas põe os ovos para a direita.”

Brizola

 

Mudanças

Tanto os bancos públicos quanto privados poderão deixar de conceder empréstimos ou financiamentos a pessoas jurídicas em débitos com o FGTS. A CCJ da Câmara dos Deputados, sob relatoria do deputado Fausto Pinato, aprovou o Projeto de Lei sobre o assunto. A ideia é balizar instituições públicas e privadas na concessão desse tipo de crédito.

 

Lixo

Veja as fotos no blog do Ari Cunha do estrago que o sistema de drenagem do Paranoá Parque está causando ao lago. O Ibram já foi notificado sobre o assunto, mas o lixo ainda está no local.

 

Linha férrea

Trem para cargas, pessoas, menos acidentes nas estradas, mais mobilidade pelo país. Apesar das verbas bilionárias já aplicadas no setor ferroviário, trechos em obras são abandonados dando prejuízo aos contribuintes. Agora é acompanhar o Fundo de Desenvolvimento Ferroviário que foi aprovado em comissão mista e segue para a Câmara dos Deputados.

 

Cobrança

Até hoje a água utilizada pelos agricultores que plantam às margens dos rios Corumbá, Preto e Maranhão não é cobrada. De olho no nicho, a Adasa planeja acabar com a festa em três anos. Um estudo feito pela UnB indica os caminhos para a cobrança.

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

A prefeitura não tomou nenhuma providência, para embargar as obras de alvenaria, que estão sendo construídas no canteiro de obras do IAPFESP. (Publicado em 05.11.1961)

Os germes da coalizão

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Um mundo novo parece se descortinar para os governantes que assumirão a partir de 2019. Com uma renovação significativa de nomes nos poderes Legislativo e Executivo, o que os cidadãos aguardam agora é a decolagem do avião Brasil para longe dessa que foi a mais longa e prolongada crise já experimentada por todos os cidadãos.

Obviamente que ainda falta um bom percurso a seguir. Como as reformas necessárias ao país, principalmente a política, ficaram no meio do caminho, o jeito é encontrar mecanismos de governança que fujam do velho padrão dos balcões de negócios, tão prejudiciais ao país.

O presidencialismo de coalizão, que dentro de um sistema republicano serviria para integrar esforços entre Executivo e Legislativo, foi tão distorcido e corrompido entre nós ao longo desses anos que persistir nesse modelo é rota certa para novos impasses institucionais, talvez até mais graves e insolúveis. Nesse sentido, tanto o presidente Bolsonaro, como o governador eleito pelo Distrito Federal, Ibaneis Rocha, necessitam atuar com o máximo de prudência. Ceder a esses impulsos, por menores que sejam, é dar um reinício a um ciclo sem fim. O que torna a governabilidade cada vez mais delicada, no plano federal e no plano local, é que ao lado da quantidade de legendas disputando espaço no poder, os próprios partidos parecem estar sendo engolidos pelo fenômeno das bancadas de interesse, muito mais organizadas e sedentas.

À esse fato, já em si preocupante, o que parece estar acontecendo é o surgimento, ainda embrionário, de uma bancada formada por políticos militares, uma espécie de bancada das Forças Armadas. Com o aparecimento desses novos grupos políticos acima dos partidos, a governabilidade de coesão adentra num novo patamar.

A melhor estratégia para enfrentar essa Hidra de Lerna moderna parece estar na luz saneadora da transparência pública absoluta, capaz de eliminar os conchavos à meia luz e impedir a proliferação desses germes perigosos. No caso específico do Distrito Federal, o que preocupa aqueles que acompanham o dia a dia da política é a frenética movimentação de bastidores dos mesmos partidos atolados, até a orelha, nos mais escandalosos casos de corrupção.

Quem observa, com atenção, as figuras que surgem nos fundos das imagens nesses encontros, nota, aqui e ali, rostos sorridentes que, na realidade, deveriam estar, há muito, hospedados nos presídios. Para esses, a eleição de um correligionário pode ser entendida como uma absolvição das faltas pretéritas, e quem sabe a oportunidade de voltar a delinquir.

Aos olhos do cidadão fica a dúvida. Com a justiça, sempre lenta e obsequiosa com os poderosos, fica a resposta.

 

A frase que foi pronunciada:

“Um falso amigo e uma sombra assistem apenas enquanto o sol brilha.”

Benjamin Franklin

 

Contradição

Um dos argumentos da Suprema Corte, para rejeitar e desobedecer a lei que instituiu o voto impresso, foi a falta de verba que incrivelmente apareceu para turbinar o salário de seus ocupantes. A dúvida continua no ar.

Página Corrupção Brasileira Memes

Leitor

Sou aposentado, tenho 62 anos e resido na SHIGS 713 Sul – Bloco M. Nos últimos anos, não vemos serviço de limpeza, manutenção e varrição das áreas verdes das quadras residenciais de Brasília. Em particular, a nossa. O caso já virou problema de saúde pública, pois a falta de limpeza e manutenção tem provocado a proliferação de mosquitos, insetos de todos os tipos, inclusive com casos de dengue na família.

 

Continua

Já abri vários protocolos na Ouvidoria do GDF acionando o SLU e a Novacap, mas em vão. Eles não acompanham e nem cobram o atendimento desses protocolos. Já liguei várias vezes e já mandei e-mails e contatos para as Ouvidorias do SLU e Novacap que sequer respondem. É visível o total abandono de nossa cidade!

Foto: correioweb.com.br

Veredicto

A W3 Sul e as quadras residenciais 700 não têm qualquer limpeza e manutenção. Mas pagamos elevados impostos e o GDF paga a empresas terceirizadas por esses serviços. Por que não é feito? Por que não é cobrado e fiscalizado? Algo fede muito mais que o lixo que se acumula e nos traz doenças! Ou incompetência ou corrupção.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Funcionários precipitados declararam, há meses, que em dezembro seria inaugurado o terceiro supermercado. Efetivamente, a obra estava em bom andamento, mas está completamente paralisada. (Publicado em 05.11.1961)

Arqueiros zen

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Foto: diariodopoder.com.br

Nas escolas Zen budistas que ensinam as artes no manejo com o arco, a perfeição só é alcançada quando o arqueiro consegue atingir o centro do alvo escolhido, antes mesmo de disparar a flecha.

No acórdão, aprovado no último dia 7 pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e, diga-se, por unanimidade, ficou assegurado, doravante, a fiscalização nas contas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Coube ao ministro Bruno Dantas, relator do caso, o disparo da flecha zen que pode atingir, em cheio, a antiga e misteriosa relutância dessa Ordem em apresentar seus números à sociedade. Isso, mesmo antes de a Ordem entrar com ação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão histórica.

Ao afirmar que “a OAB exerce papel fundamental de vigilante sobre o exercício do poder estatal e de defesa da Constituição e do Estado Democrático de Direito e por essa razão, deve ser a primeira, entre os conselhos de fiscalização profissional, a servir de exemplo, e apresentar uma gestão transparente e aberta ao controle público”, o que o ministro Dantas fez foi lançar o alerta para o anacronismo da postura da entidade.

Com dezenas de advogados à sua disposição, a OAB sempre encontrou, nas filigranas e nos labirintos das nossas leis, rotas de fuga para não trazer seus números à luz, quando se sabe que essa instituição arrecada algo em torno de R$ 1 bilhão ao ano. O que explica parte dessa dinheirama é que a Ordem sempre contou também com o corporativismo de classe, de gente espalhada nos mais variados pontos cardeais dentro do Estado.

Surpreende a todos a insistência com que a OAB mantém uma postura contrária ao grande esforço exigido pela nação para aperfeiçoar e dar transparência à toda imensa máquina do Estado. A prestação de contas ao cidadão, dentro de um Estado Democrático de Direito, como lembrou o ministro Bruno Dantas em seu parecer, “está intimamente ligada ao princípio republicano”. Para o ministro Walton Alencar Rodrigues, “Uma instituição que arrecada verbas de caráter tributário, recursos públicos de advogados, autarquia corporativa ou corporativista que não presta contas. Imaginem R$ 1,5 bi aplicados em finalidade antidemocrática? Não temos ideia para onde está indo o dinheiro, nem os advogados têm. Tenho plena convicção da decisão que o Tribunal está tomando.”

O que os brasileiros esperam dessa importantíssima entidade de defesa dos direitos da cidadania é que ela ajuste seu comportamento, divulgando, sem a necessidade de imposição da justiça, o seu livro de balanços. A entidade, nesse esforço que é de todos, poderia demonstrar seu engajamento efetivo no combate à corrupção e ir mais além, obrigando seus filiados, principalmente aqueles que têm colocado ao serviço dos mais notórios corruptos do país, a divulgarem, exatamente, a origem desses honorários milionários recebidos.

Com isso, boa parte do ralo histórico, por onde vazam parte importante do dinheiro público, ficaria obstruída para sempre.

Pessoas e entidades que buscam ocultar recursos necessitam estar sob a mira constante dos arqueiros zen dos órgãos de controle.

 

A frase que foi pronunciada:

“Isso é um desrespeito ao contribuinte. Vai aumentar o teto constitucional e gerar um efeito cascata. É uma irresponsabilidade fiscal e uma vergonha moral!”

Senador Reguffe (DF), que votou contra o aumento dos ministros do STF, em discurso no plenário.

Foto: senado.leg.br

Surpresa

Na avaliação do Ministério do Trabalho, a Lei que altera a CLT está promovendo nova cultura nas relações entre trabalhadores e empregadores. Admilson Moreira dos Santos, secretário-executivo, disse em entrevista que o trabalho intermitente, que todos pensavam que geraria um grande número de contratações, por demanda do empregador, não apresentou o resultado esperado.

 

Mudanças

Já Aline Laredo comentou que foi um ponto interessante nas mudanças da lei, o empregado recear a reclamação trabalhista porque se o fizer de má fé poderá ser condenado a pagar custas e honorários. Também se faltar a audiência sem justificar, esta não será arquivada como antes. Se optar pela falta, o empregado pode ficar impedido de dar entrada novamente além de ser responsável pelas custas do processo anterior que arquivou.

 

Apartidário

Joaquim Levy é um nome que independe ter sido parte do staff de Dilma Rousseff.  Ser cogitado para o BNDES é bom para o Brasil porque trata-se de um engenheiro naval com doutorado em economia. Trata-se de competência.

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Honra ao Mérito

Bela homenagem a Chang Dorea, professora do Departamento de Matemática e orientanda de pesquisas de mestrado e doutorado em Matemática, Estatística e Engenharia. Na UnB, desde 75, recebeu o título de professora emérita. A relação com Brasília foi de troca. A Universidade ganhou muito com a presença da mestra que encontrou o Brasil de braços abertos.

Foto: Beto Monteiro/Secom UnB

Memória

Adauto Candido Soares, da UNESCO, Hernani Heffner, da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual, Rita Marques, do Conselho Executivo da Fiat, Marcos Tavolari, Secretário de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual do Ministério da Cultura, Vera Barroso, jornalista e apresentadora do programa Sem Censura (TV Brasil) serão mediadores no Seminário Memória, Identidade e Futuro – a preservação audiovisual hoje, no CCBB do Rio. Aguardamos a transmissão desse importante debate.

Banner: divulgação

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

O serviço de trânsito devia proibir o tráfego de carroças pela pista central do Eixo Monumental. Se esses veículos utilizassem o acostamento seria muito melhor, mais lógico e menos perigoso. (Publicado em 05.11.1961)

Um fosso entre a vontade da população e dos políticos

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Charge do Ivan Cabral

Insensibilidade talvez seja a palavra que melhor, e de modo mais suave, consiga explicar o aumento 16,38%, concedido pelo Senado, aos ministros do Supremo Tribunal Federal, no apagar das luzes do atual governo e no fim de boa parte da atual legislatura.

Para um fato, até corriqueiro, dentro das conhecidas e seculares desigualdades sociais do país, os Três Poderes, conseguiram, ao mesmo tempo e de forma certeira, decepcionar toda a nação. Restou um gosto amargo para toda a sociedade e uma certeza de que ainda temos muito que evoluir para dotar a maioria das instituições do país de certo grau de probidade e zelo com a coisa pública.

A impressão que ficou gravada na mente da maioria dos brasileiros é que ainda existe um fosso imenso separando a população e suas elites. Ademais a manobra que resultou na mais pura vitória de Pirro, deu, aos contribuintes, a certeza de que as lideranças do país continuam divorciadas do restante da sociedade, principalmente da realidade vivida por milhões de brasileiros.

Para uma manobra, feita em cima do laço, deixou aos cidadãos a suspeita de que houve um estratégico e maquiavélico acordo de bastidores para encher os bolsos de suas Excelências, proporcionando um natal gordo para uma fatia minúscula da população, já muito bem aquinhoada.

Fica ainda, e o que é pior, a impressão de que poderá haver, mais uma vez, o tradicional toma lá, dá cá, melhorando o humor e, quem sabe, empurrando para as calêndulas, os muitos processos judiciais que grande parte dos parlamentares respondem naquela alta corte. Mesmo que não existam, de fato, nenhuma dessas razões, o que fala mais alto e, à vista de todos, é o momento inoportuno para a concessão de tal agrado.

Com isso e sem dúvidas, aumenta o desejo de reformas profundas em todas as instituições do Estado, que ponha um fim definitivo nessa dissintonia entre o alto e a base da pirâmide nacional. Não chega a ser surpresa, para ninguém, que desde a sua formação, o Brasil sempre foi um país marcado por profundas desigualdades sociais.

Não se justifica, portanto, sob nenhum aspecto, que o teto salarial desses cortesãos seja elevado ainda mais, sobretudo quando se sabe a enorme dificuldade vivida por dezenas de milhões de brasileiros, há anos em busca de emprego. O que surpreenderia é se algum ministro viesse a recusar o aumento inoportuno. Como teve coragem o representante do DF no Senado, senador Reguffe.

Surpreende ainda que pessoas, consideradas inteligentes, das quais se esperam um comportamento, no mínimo ético, tenha embarcado nessa canoa furada, ajudando a aumentar o descrédito dessas instituições junto à população. Fica ainda, dessa experiência astuta, a convicção de que estamos muito mal representados.

 

A frase que foi pronunciada:

“Há poucas coisas totalmente más ou totalmente boas. Quase tudo, especialmente da política do governo, é um composto inseparável dos dois, de modo que nosso melhor julgamento da preponderância entre eles é continuamente exigido”.

Abraham Lincoln, em discurso à Câmara dos Representantes em 20 de junho de 1848

 

Orçamento

A roda continua girando. Dezembro se aproxima e as emendas parlamentares precisam ser garantidas. A proposta orçamentária foi enxertada com mais de 9 mil emendas. Deputados e senadores definem as áreas onde serão aplicadas. O que o brasileiro desconhece é como monitorar o uso desses R$ 88,3 bilhões. É preciso divulgar onde e quanto cada estado aplicará a verba. A própria população cuida do resto. Segunda-feira, o deputado Alceu Moreira vai apresentar o parecer na Comissão Mista de Orçamento.

Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

Tarefa hercúlea

Veja no blog do Ari Cunha um vídeo produzido pela TV Senado onde mostra as diversas tentativas de enxugamento da máquina pública por presidentes como ponto de partida administrativo. Daria certo e seria uma economia real, mas na coxia da política é possível vislumbrar uma ópera paralela. Esse é o ponto nevrálgico onde o presidente Bolsonaro deverá optar: o apoio de seus eleitores ou dos articuladores políticos.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Não começou, como esperávamos, a “Operação Valeta”. Todas as avenidas estão com valetas afundando, e, enquanto isto, a EBE continua abrindo outras. (Publicado em 05.11.1961)

Quem quer ser professor?

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

 

Charge do Duke

 

Quando passaram a alardear a narrativa de “herança maldita”, os lulopetistas sabiam exatamente o significado do alcance dessa expressão. Nunca, em tempo algum, essas palavras fizeram tanto sentido como agora. De fato, o que os brasileiros vivenciam é exatamente isso. Recebemos todos, o mais profundo e duradouro legado maldito.

Muitos acreditam que o país levará mais de uma década para se livrar completamente dos estragos provocados por esse conjunto de desgovernança. Para qualquer direção que se olhe, os escombros estão à mostra. Não bastasse a corrupção avassaladora que danificou moral e economicamente o país, os efeitos desse patrimônio negativo se fazem sentir até nos mais elementares aspectos da vida nacional.

Depois que os organismos de análise global passaram a instituir rankings, o Brasil vem ocupando seguidamente as piores colocações. Com isso, ficou impossível esconder da população o resultado da lacuna deixada pelos últimos governos. O mais recente desse ranking, revelado ao público agora, foi feito pela Varkey Foundation, organização voltada para a educação. Há uma forte percepção em nosso país da falta de respeito dos alunos com os mestres, salários vergonhosos e uma carreira pouco segura para os profissionais.

A cada ano, aumentam os relatos de agressões físicas e morais contra os professores. Com isso, aumentam também os casos de doenças psicológicas e físicas entre esses profissionais.

Segundo o documento intitulado Índice global de status de professores de 2018, uma pesquisa feita com a população de 35 países, o Brasil passou a ocupar a última posição no quesito prestígio do magistério.

No Brasil, das mil entrevistas feitas com pessoas entre 16 e 64 anos, apenas 9% dos questionados acreditam que existe respeito e consideração para com os professores. Só 20% das famílias brasileiras encorajariam seus filhos a seguir essa carreira.

Ao atingirem em cheio uma das peças mais importantes para a construção do futuro de uma nação, fica fácil avaliar que o estrago deixado ainda persistirá por muito tempo.

É fácil entender que o quesito respeito aos professores significa estudantes com melhor desempenho e que, portanto, atraídos naturalmente para profissão.

Nos últimos anos a orientação passada às escolas é que os alunos, no geral, têm sempre razão. Dizia o filósofo de Mondubim: “Se crianças não precisassem da orientação de adultos nasceriam como uma manga e cairiam quando amadurecessem.”

Há que se registrar também que as pessoas que desvalorizam o magistério e seus profissionais tomam como base os baixos salários recebidos pela categoria. Assim fica criado um ciclo vicioso onde os professores são desvalorizados porque ganham pouco e ganham pouco porque não são valorizados adequadamente por políticas públicas.

Por outro lado, verifica-se ainda que professores não contam com o apoio das famílias como nos demais países, onde é obrigação que participem efetivamente das atividades escolares dos filhos.

A Lei de Diretrizes e Base da Educação (LDB), promulgada em 1996, passou a recomendar que todos os professores da educação básica tenham formação universitária. Não surpreende que muitas faculdades do país deixaram de oferecer o curso de pedagogia, o que é um indicativo preciso do desprestigio da profissão.

A questão aqui é: haverá futuro para um país cuja população ficou à margem do conhecimento?

 

 

A frase que foi pronunciada:

“Eu divido a Humanidade em duas metades: de um lado os que gostam de mim e concordam comigo. Do outro, os equivocados.”

Ariano Suassuna

Caricatura feita por Olegário Gouveia

Online

Realmente há uma mudança no mundo. As principais livrarias norte americanas preferiram a venda online. Fecharam as portas. A Saraiva, Fnac e Cultura estão indo pelo mesmo caminho.

Unidade da Saraiva. Foto: divulgação.

 

Os melhores

Muita gente não sabe que Samambaia é a maior produtora de técnicos de luz e som das maiores festas do Plano Piloto. Com o desemprego, um vizinho passa a informação da necessidade dessa mão de obra para o outro, ensina a profissão e o resultado é uma cidade repleta de trabalhadores nos pontos de ônibus chegando em casa com o nascer do sol.

 

Puxado

Universidades fazem de tudo para agradar a juventude que acabou de fazer provas do Enem. Jogos eletrônicos, sinucas, tênis de mesa, autoramas, tudo disponível ao final da saga. Mas o resultado não foi o esperado. Depois de horas de prova, a turma preferiu seguir o caminho de casa e descansar.

Charge do Júnior Lima

Amor 9

Comunidade unida é comunidade segura. Esse é o mote da Associação dos Moradores do Trecho 9 do Lago Norte. A comunidade está se mobilizando para plantar quase 300 mudas em áreas verdes. Com o apoio do Administrador do Lago Norte, Marcos Woortmann, e com a diretora do viveiro, Adriana. O evento será no próximo domingo, dia 11/11, data em que se comemora o Dia do Idealista e terá início às 9h, com a presença da equipe da Administração e de seus apoiadores idealistas, dentre eles o Rotary e a OAB Sustentabilidade. Veja as fotos da movimentação no blog do Ari Cunha.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Quando o ônibus vai da cidade para a Asa Norte, ao chegar próximo ao primeiro bloco, o motorista para o carro, e espera que todos os passageiros passem pela borboleta. É um capricho que ninguém vence, apesar de ilegal. (Publicado em 04.11.1961)

Imagem externa da agricultura brasileira

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA – In memoriam

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Facebook.com/vistolidoeouvido

Charge do DUM

O aumento do desmatamento para o avanço sem fim da agricultura e para a criação de gado irá atingir o Brasil de duas maneiras certeiras: irá impactar negativamente no prestígio do país, levando os consumidores externos ao boicote dos nossos produtos, e trará ainda desequilíbrios permanentes, como secas e desertificação de grandes extensões de terras, acabando com a fertilidade do solo, com a biodiversidade e afetando diretamente o clima brasileiro.

Para se ter uma ideia desse problema, os cientistas já comprovaram que o desmatamento no Cerrado tem provocado uma diminuição em cerca de 10% das chuvas nessa região. Questões outras, como a fusão do Ministério do Meio Ambiente, propostas pela campanha de Bolsonaro e que preocupavam os ambientalistas, já foram resolvidas.

Cada um desses órgãos possui uma pauta extensa e própria e essa junção prejudicaria tanto o setor agrário como do meio ambiente, o que afetaria a sustentabilidade ambiental. “Um dos grandes beneficiados desta sustentabilidade é a própria agricultura, devido ao aumento de produtividade ao se mesclar ambientes naturais com ambientes agrícolas”, afirmam os especialistas.

 

A frase que foi pronunciada:

“A agricultura para um homem honrado e de mente elevada é a melhor de todas as ocupações ou artes pelas quais os homens adquirem os meios de vida.”

Xenofonte

 

Oferta e demanda

Próximo à Unieuro, na L2 Sul, há um lugar onde as pessoas descartam roupas, móveis, eletrodomésticos e objetos em geral. Outras pessoas buscam por esses objetos no mesmo local. Solidariedade sem alarde.

 

Xilogravura

De 27 de novembro até 10 de fevereiro, o Museu da República mostrará Xilogravuras Populares. Poetas, cantadores e xilógrafos estarão presentes. O material é extenso. Inclusive, de coleções particulares com assinaturas de Ariano Suassuna, Dila, Jota Borges, Mestre Noza, Palito e Samico.

Foto: aquitemdiversao.com.br

 

Celíacos

Questões sobre a doença celíaca já fazem parte de provas para adolescentes. Mas o Brasil ainda está longe de respeitar os pacientes com essa doença autoimune.

Ergométrica

Ivan Lins foi quem fez propaganda de uma cadeira para quem tem problemas na lombar. Vale a pena ver a imagem no blog do Ari Cunha. Os elogios foram muitos, mas como não testamos, apenas repassamos a novidade.

Imagem: www.pinterest.pt

 

Seguro de vida

“Essas condições de trabalho, infelizmente, não condizem com um mínimo razoável de segurança”, lamentou a senadora Ângela Portela. Ela se referia aos jornalistas que trabalham em áreas perigosas sem ter proteções físicas e administrativas das empresas. Haverá um impacto, pois a ideia inicial era uma porcentagem de 10% no salário, mas resolveu-se adotar um seguro de vida aos profissionais da informação. Também foi prevista uma indenização pecuniária aos beneficiários do segurado no caso de morte por acidente em serviço.

Foto: insuranceforjournalists.com

Lei frouxa

Ano após ano, há notícias dando conta de pessoas presas por participação em esquema de propina. Alguma coisa deve fazer com que o crime valha a pena, já que ainda existe muita gente optando por esse caminho.

Charge do Ivan Cabral

O pato

Nada como ler notícias antigas para ter certeza que patinamos no tempo. Há dois anos, o governo anunciou um déficit de R$139 bilhões nas contas públicas para os próximos anos. A solução é sempre a mesma. Aumentar os impostos. Assim foi feito. O rombo permanece e os impostos só aumentam.

 

Espírito de corpo

Mulheres pensam a longo prazo. Um exemplo é a Coronel Sheyla, 1ª mulher no comando da Polícia Militar do DF, que prometeu priorizar a saúde da PM. Uma profissão tensa precisa de uma retaguarda que mantenha a corporação, no mínimo, saudável. A Oficial foi convidada pelo governador eleito, Ibaneis Rocha, e vai assumir o cargo a partir de 2019.

Foto: Antonio Cunha/CB/D.A PRESS.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

A Asa Norte é de morte. Quem depende de transporte, então sofre por todos os pecados. A demora do ônibus, em geral, é de 40 minutos, e até que chegue à rua da Igrejinha, já terá dado uma viagem por todo o Plano Piloto. (Publicado em 04.11.1961)