Facções

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960

Com Circe Cunha  e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Foto: cartacapital.com.br

Segundo fontes da inteligência da Polícia Civil, desde 2001, grupos diversos do crime organizado, cujas principais lideranças se encontram presas em várias penitenciárias espalhados pelo país, tentam se fixar no Distrito Federal e a partir daqui, estabelecer uma importante base de comando e controle uniforme em todo o território nacional.

Das unidades da federação, o Distrito Federal é a única região que, por enquanto, não está sob o domínio dos diversos grupos que há anos agem no Brasil, principalmente a partir do Rio de Janeiro e de São Paulo, suas áreas de origem. Para os chefões dessas organizações não se pode conceber que apesar de ultrapassarem muitas fronteiras no Sul do continente, ainda não tenham um importante núcleo fixado na capital.

A Polícia também conhece esse desejo estratégico e secreto dessas organizações e há anos vem empreendendo operações visando desarticular a instalação dessas facções no Distrito Federal. Operações mais recentes como a Tabuleiro, Palestina, Legião, Prólogo e Hydra, provam o intento dos criminosos.

A questão é complicada e requer uma vigilância constante, não só dentro dos presídios superlotados, onde essas facções recrutam mão de obra a cada instante, mas também fora das cadeias onde os criminosos montam uma rede de associados e de assistidos, para continuar se expandindo. O trânsito intenso de visitantes nesses estabelecimentos é outra fonte de preocupação para os agentes da lei. Levando e trazendo informações essas visitas, sejam de parentes ou mesmo advogados, ajudam a manter um corredor livre entre os estão detidos e aqueles que estão nas ruas, criando um canal constante de informação e em alguns casos abastecendo os próprios criminosos.

Com isso, tem aumentado as prisões de advogados, alguns, inclusive com missões muito específicas delegadas pelos chefões dessas facções e que nada tem a ver com a função de defensoria desses marginais.

Ontem, dez Grupos de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaecos) do Ministério Público Brasileiro, deflagram múltiplas operações contra integrantes de facções criminosas em 15 estados e também no Distrito Federal. De acordo com o Ministério Público do DF, a operação foi coordenada pelo Núcleo de Controle e Fiscalização do Sistema Prisional do MPDFT (Nupri) com apoio do Gaeco local e da Polícia Civil do DF.

Na ação foram cumpridos vários mandatos de prisão e de apreensão contra integrantes desses grupos, em diversas regiões do Entorno da capital, o que deixa patente a intenção de se estabelecerem definitivamente no Distrito Federal. É uma obsessão constante desses criminosos para expandir seus negócios.

É sabido que essas facções buscam também se infiltrar no legislativo federal, por meio de financiamento a candidatos ligados à essas organizações. Com o dinheiro, a logística e poder de convencimento que possuem, essas organizações imaginam que mais dia menos dia chegam para ficar na capital. A única garantia da sociedade de que esse dia jamais chegará, é dada pela atuação diuturna dos grupos de combate ao crime organizado.

 

A frase que foi pronunciada:

“Não dá para pedir desculpas porque o PT chegou no segundo turno.”

Gleisi Hoffmann

Charge: andreaguiarilustrador.blogspot.com

Presos

Estelionatários que agiam com idosos em caixas eletrônicos de bancos foram presos. Sempre oferecendo ajuda, ou roubavam os dados, terminavam as operações depois de despistar o cliente, ou até usavam aparelhos que clonavam os cartões. O major Michello Bueno, porta-voz da PMDF contou que foram meses para descobrir, com o apoio dos bancos, o modus operandi.

 

Impossível

Crateras espalhadas pelo Plano Piloto e Regiões Administrativas mostram a baixa qualidade do asfalto nas vias da capital. Apesar de impostos e pardais para todos os lados, o governo não faz a parte dele e o motorista fica com o prejuízo.

Charge do Ivan Cabral

Muda já

Errado o Observatório Digital de Saúde e Segurança do Ministério Público do Trabalho. Os profissionais que fazem a coleta de lixo pendurados em caminhões têm 100% de risco de perder a vida ou ter a saúde comprometida. Faça sol, faça chuva ou lua, estão sempre sem segurança, com o corpo todo de fora dos caminhões, respirando os detritos diretamente colocados à frente. É um absurdo que os lixeiros trabalhem nessas condições diante dos nossos olhos.

Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS

Nome

Foi Carlos Penna Brescianini quem estruturou a implantação do ramal Ceilândia do Metrô-DF, entre 2006 e 2008. É um bom nome para o governador Ibaneis. Técnico e independente.

 

Final feliz

Dessa vez, depois de o cliente respirar fundo ao atender uma ligação da Claro, resolveu ouvir a pobre atendente, que até ali havia sido evitada. Era uma promoção para quem tinha Claro Conta. Um telefone de R$800 estava custando R$260. Era verdade e por enquanto todos vivem felizes nessa história.

Logo: claro.com.br

Uma pena

Começa a cair a qualidade da Feira do Paranoá. Sujeira por toda parte, carnes de porco com os animais à vista, peixes e frangos expostos de maneira perigosíssima para a saúde.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Os transportes estão deficientes e precários. São ônibus novos, mas já estão se acabando. Os motoristas ainda não têm uniforme, e os trocadores não têm educação. As exceções são poucas. O povo passa mais de meia hora esperando, toda a vez que quer tomar um coletivo. (Publicado em 07.11.1961)