Marcha da insensatez

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Cartaz: twitter.com/mst_oficial
Cartaz: twitter.com/mst_oficial

     Levada até as últimas consequências, a pantomima protagonizada pelas lideranças do Partido dos Trabalhadores, para obrigar a justiça eleitoral a registrar a chapa da legenda encabeçada pelo ex-presidente Lula, que segue preso, numa cela da Polícia Federal em Curitiba, vai chegando ao seu grand finale.

  Comandando a movimentação do partido e da militância, diretamente de dentro da cadeia, Lula, aos poucos, começa a copiar a mesma prática que tem sido corrente aos grandes chefões do crime organizado, que por meio de pombos correios, envia ordens aos seus comandados que estão fora dos presídios.

    Com o auxílio das mídias, toda a nação acompanha, par i passo, essas articulações surreais, que visam, basicamente e de forma desesperada, construir uma narrativa para o público interno e principalmente para a parcela da imprensa internacional de que Lula, assim como Dilma, são vítimas de um golpe de Estado, perpetrado por forças da direita.

        O que à primeira vista pode parecer estratégia ingênua, visando esticar, ao máximo, o registro do ex-presidente como cabeça de chapa, visando iludir os eleitores, embute uma tática sinistra de desacreditar da própria justiça, e outras instituições que não rezem pela cartilha do partido e, por tabela, melar as próximas eleições pelo açular dos movimentos sociais controlados pela legenda.

          Nesse sentido, a marcha do Movimento Sem Terra (MST), que ruma para o centro da capital em três colunas de 1,5 mil integrantes cada, irá, num primeiro momento, se concentrar no próximo dia 15 em frente ao Superior Tribunal Eleitoral, forçando a corte a aceitar a inscrição de Lula, desprezando o que diz a Lei da Ficha Limpa, endereçada e aprovada em 2010 pelos próprios petistas.

         Em outro flanco, o partido segue com a greve de fome, repassada obviamente para a militância do baixo clero, a quem cabe sempre os esforços físicos extremos, no intuito de forçar o Supremo a reconsiderar a prisão em 2ª instância. O problema com a mentira, ensinou uma vez o próprio Lula, é que quando você conta uma, nunca mais se livra dela, tendo que emendá-la sempre com novas versões. Busca o PT, em mais esse ato farsesco, a tentativa de produzir um mártir para sua causa, criando um factoide junto à opinião pública.

        A marcha da insensatez que se arrasta rumo a capital traduz, como nenhuma outra, as movimentações de um partido que nesses últimos anos reluta em ter seu encontro inexorável com o ocaso, vitimado pela total falta de ética e que, desde abril passado, foi encarcerado também junto com sua maior liderança.

A frase que foi pronunciada:

“Essa elite está acabando com o Brasil!!! Mas dona Adalgisa, essa elite recebeu o voto do povo para acabar com o Brasil!”

Conversa no ônibus da linha 171, da W3.

Foto: pt.org.br
Foto: pt.org.br

Locomoção

A falta de opção para o brasiliense é geral. Ou o carro próprio é utilizado diariamente para enfrentar os engarrafamentos na cidade ou o transporte público, com horários flexíveis, lotados, em péssima condição de manutenção e sujeitos à ação de criminosos. Ano passado foram registrados 8 assaltos a ônibus por dia.

Reconhecimento

De volta ao Ministério da Saúde, a criadora da MULTIMISTURA, que salvou muitas crianças da desnutrição, no Brasil e em outros países. Dra. Clara Brandão, médica e nutróloga, formada pela USP, tem especialização em pediatria e nutrologia. Palestras são agendadas por todos os estados brasileiros.

Incrível

Foi preciso um Projeto de Lei para mudar a regra da tornozeleira eletrônica. A partir da aprovação, o preso que fizer uso do aparelho de monitoramento e não obedecer às regras do perímetro de circulação poderá ter revogada a prisão domiciliar, voltando ao regime fechado. O que seria óbvio não era ululante.

Charge do Laerte.
Charge do Laerte.

Lei Maria da Penha

Algumas modificações à vista. O prazo de 48 horas é muito longo para informar ao juiz sobre a agressão. A demora pode levar a vítima a mais agressão ou até mesmo a morte. Outra mudança prevista é a criação de um banco de vítimas beneficiadas com medidas protetivas com o apoio do Conselho Nacional de Justiça. Isso facilita a busca e captura de agressores fugitivos. As informações foram publicadas no Jornal da Câmara.

Fest Rádio

Trata-se de um concurso universitário que irá premiar a melhor campanha publicitária contra a corrupção. Uma conversa com a promotora de Justiça Luciana Asper e com os alunos de Comunicação do Uniceub e do IESB sobre o programa “Cidadão contra a corrupção”, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios foi o início do programa. A iniciativa é da rádio Transamérica em parceria com o MPDFT e com o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Cartaz: facebook.com/transamericabsb/
Cartaz: facebook.com/transamericabsb/

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Os jornalistas credenciados no Planalto estão muito malsatisfeitos com as atitudes do sr. Raulf Ryff. A viagem dos jornalistas a Belém, acompanhando o presidente, entornou o caldo. (Publicado em 27.10.1961)

LUOS necessita da aprovação tácita de todos os brasilienses

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Imagem: lagosul.com.br
Imagem: lagosul.com.br

       Todo o cuidado é pouco com a votação da Lei de Uso e Ocupação do Solo (LUOS) que agora retorna para uma apreciação de afogadilho na Câmara Legislativa. Interesses específicos de políticos e empresários na aprovação dessa Lei, há pouco menos de dois meses para as eleições, inspiram cuidados, e principalmente, em meio ao andamento das investigações do Ministério Público e da Polícia Civil na “Operação 12:26”.

         Leis com essa abrangência, capazes de modificar e deturpar o desenho urbano da capital e das áreas adjacentes, não podem, de modo algum, ficar ao arbítrio de pressões de qualquer tipo, muito menos de políticos astutos e de empresários gananciosos, que não medem esforços para expandir seus negócios, sob o falso pretexto de engessamento da cidade. Nesse sentido, não causa nenhuma estranheza que, à frente desse movimento pela aprovação ligeira da LUOS, esteja a presidente da Comissão de Assuntos Fundiários da Câmara Legislativa (CAF), tornada ré junto ao Ministério Público no âmbito da Operação Trick, deflagrada em abril de 2015, que investiga os crimes de falsificação de documentos e fraudes em instituições bancárias. Além desse processo a presidente do CAF, responde também, na primeira instância, a crimes de grilagem de terras e corrupção. Há muito tempo essa coluna vem alertando para as suspeitíssimas relações envolvendo membros da Câmara Legislativa e conhecidos empresários, muitos deles também respondendo inquéritos policiais e sempre de olho grande nas projeções e outras áreas espalhadas pela cidade e pelo entorno.

         Há dois meses das eleições, época em que comumente os políticos buscam patrocínio e todo o tipo de apoio para suas campanhas, aumentam muito os movimentos de aproximação entre políticos e empresários, cada um com sua respectiva moeda de troca. Movimentos dessa natureza, por sua repetição, já se transformaram em algo comum ou mesmo numa tradição corrente. Ocorre que esse tipo de associação é sempre feito contra os interesses soberanos da população, que só toma conhecimento dos resultados dessa união quando ela é levada às barras do tribunal ou quando a imprensa publica.

       A importância do LUOS para o futuro da cidade e dos seus cidadãos não pode, pois, ser deixada ao alvitre de meia dúzia de personagens, principalmente quando eles se tornam suspeitos de estarem confeccionando um projeto que vai atender objetivamente aos seus interesses particulares. O uso político de projetos dessa magnitude, por si só, já induz e torna necessário sua imediata paralisação até que sejam esgotadas, exaustivamente, todas as discussões em torno dessa proposta e até que sejam pesadas e medidas, com rigor, todas as consequências que poderão advir para as próximas gerações de brasilienses, mantendo a capital como eterno patrimônio cultural da humanidade, com suas áreas verdes e espaços abertos, conforme proposta revolucionária e sempre atual de seu idealizador.

A frase que foi pronunciada:

“Arquitetura é antes de mais nada construção, mas construção concebida com o propósito primordial de ordenar e organizar o espaço para determinada finalidade e visando a determinada intenção.”

Lúcio Costa

Sob a batuta de Lúcio Costa, Oscar se diverte grafite e aquarela, 29x21cm, 2010. (evblogaleria.blogspot.com)

Urnas

Graças às execuções fiscais aplicadas por juízes, a Justiça eleitoral teria a chance de promover uma democracia palpável nessas eleições, adaptando as urnas ao voto impresso.

Charge do Bello
Charge do Bello

TRE

Por falar em eleição, no site do TRE-DF, há um pedido aos mesários para que fiquem atentos à correspondência porque o processo de convocação para as eleições de 2018 já foi iniciado. Houve erros na confecção dos documentos enviados pelos Correios. Para quem for receber a convocação por e-mail, o TER-DF pede que sempre olhe a caixa de spam. Mais de 31 mil eleitores estão sendo intimados para trabalhar nas eleições. Desses, 78% são voluntários.

Imagem: tre-df.jus.br
Imagem: tre-df.jus.br

Obediência à lei

A Coordenação do Movimento Cidadão entregou à Associação Comunitária do Park Way uma missiva que vale a pena registrar. Em relação à ocupação da área pública, na quadra 14 do Park Way, a manifestação de Maria Luiza Nogueira e Maristella Tokarski foi veementemente contra. “A condescendência na flexibilização da legislação só traz desordem e anos à população e, certamente, a conta chegará aos responsáveis”, termina a correspondência.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Abandono, no Palace Hotel. A grama fronteira ao bar da piscina, para o lado da residência dos empregados, está coberta de mato e papéis sujos. Desolação e falta de cuidado. (Publicado em 27.10.1961)

Somos todos culpados

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Charge: cicero.art.br
Charge: cicero.art.br

             Interferências políticas na máquina pública têm sido uma constante ao longo de toda a nossa história e, pelas experiências resultantes dessas práticas, torna-se mais do que evidente que esse imiscuir é totalmente nocivo para a sociedade. Esse fato decorre de que a influência política é sempre feita para benefício do próprio autor e de seu grupo, desprezando, portanto, o interesse público.

           Além dessa distorção, trazer malefícios diretos ao conjunto da sociedade, ela produz uma casta de pseudos funcionários que passa a agir sob o comando de grupos alheios ao serviço público. Os exemplos dessa prática malsã se repetem às centenas a cada novo governo.

           Um exemplo dessa distorção é observado na rotineira prática das indicações políticas, feitas por parlamentares da base de apoio ao governo nos legislativos federal e local. A persistência desse modelo, que se enquadra no conhecido toma lá dá cá, vem, ano após ano, produzindo todo o tipo de escândalos, alimentando as páginas do noticiário policial e, como acontece quase sempre, sem a devida punição aos envolvidos.

              Nesses casos, o prejuízo acaba recaindo sobre os contribuintes, uma vez que a justiça não consegue chegar à bom termo quando o assunto é o binômino imunidade versus impunidade. O arrastar molenga das ações envolvendo as más ações políticas encontra nos tribunais superiores um campo ideal.

            Sabedores dessa situação, a cada ano novas e repetidas investidas políticas são feitas sobre a máquina pública, com resultados sempre ruins para os pagadores de impostos. Aqui no Distrito Federal, essas distorções ganharam vulto exatamente após a instalação da Câmara Distrital.

               Seguindo um costume que já virou tradição no Brasil, os deputados distritais passaram, desde o primeiro dia da primeira legislatura, a adotarem os mesmos mecanismos, indicando prepostos para postos chaves para a máquina administrativa do DF, no intuito claro de formar um grupo, dentro do governo, que passa a agir sob o comando exclusivo do padrinho político, obedecendo ordens e executando missões, muitas vezes contrárias e lesivas ao interesse da população.

              Não surpreende, pois, o tamanho da folha de pagamento e o tamanho dos escândalos que se sucedem num ritmo constante. Leitura diária nos jornais locais dão conta desse mecanismo disfuncional que onera o cidadão, provocando reflexos no bom atendimento nos hospitais, nas muitas carências observadas nas escolas públicas, na segurança pública e por aí vai.

              Curioso e preocupante que esse fenômeno conta, além da rendição obrigatória do Executivo aos interesses políticos de sua bancada, dentro de um governo de coalizão, ele é fruto também da vontade do eleitorado, que a cada quatro anos, se dirige as sessões de votação como gado marcado para morrer, alheio as próprias necessidades, como se votar fosse apenas uma festa da democracia em que ele não tivesse participação decisiva. Para eleitores assim, todo o castigo é pouco.

A frase que não foi pronunciada:

“Vendam o voto. Mas não entreguem a mercadoria!”

Gerson, querendo levar vantagem em tudo

 

Charge: chargesdoedra.blogspot.com
Charge: chargesdoedra.blogspot.com

Celular

Ontem foi o dia do pedestre. O uso de celular é responsável por 80% dos acidentes causados em transeuntes. Na Alemanha, em Ausburg, a prefeitura estendeu o sinal dos semáforos para o chão. Assim, o aficionado por celular consegue captar o sinal enquanto estiver lendo ou teclando.

Charge: radarnacional.com.br
Foto: radarnacional.com.br

Despenca

O mercado está em baixa. Uma sala onde o dono oferece 6 meses de carência, onde o inquilino economizaria R$1.200 mensais, pagando apenas o condomínio e IPTU, não consegue ser alugada. Faixas de vende-se por todos os lados em empresas de Brasília.

Dada a largada

O TRE começa a dar posse aos voluntários que trabalharão nas eleições. A comunicação continua a chegar pelos Correios e há possibilidade de o tribunal se comunicar também por e-mail. A expectativa dos mesários é que os fiscais de partido aumentem, já que apenas os partidos de esquerda estão preocupados em acompanhar os trabalhos nas seções.

Foto: Reprodução TSE
Foto: Reprodução TSE

Outros tempos

Na última sequência das histórias de Brasília, foi publicado, em outubro de 1961, uma declaração do deputado Amaral Furlan ao então ministro Ulisses Guimarães. Era um voo ministerial onde a reclamação se resumia em protestar contra os ministros, que apesar de não pagarem as passagens, eram os primeiros a entrar no avião da Panair. Naquele tempo, a aeronave servia uísque escocês para os passageiros ilustres. Já em terra, em Brasília, as autoridades dividiam espaço tranquilamente com os passageiros.

Registro

Joaquim Pinheiro, jornalista com mais de 30 anos de atuação, lança o livro “Relatos, notícias e memórias”. Será no shopping Midway, em Natal, dia 15.

Imagem: rodrigoloureiro.com.br
Imagem: rodrigoloureiro.com.br

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Em Brasília, entretanto, os ministros ficam em contato com os passageiros sem aborrecimentos. É praxe da cidade, quebrada apenas por poucos indivíduos inconvenientes. (Publicado em 26.10.1961)

Segurança pública na agenda

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Charge: segurancamonitoramento.org
Charge: segurancamonitoramento.org

         Seja lá quem for candidato ungido com a maioria dos votos nas próximas eleições para presidente da República, uma coisa é certa: terá, já no primeiro dia de trabalho, que se haver com a questão da segurança pública, tornada hoje um assunto premente e que pode facilmente ser colocado como um problema de vida ou morte.

        O status alcançado por esse tema, num país onde não faltam problemas sérios de toda a ordem, se deve ao fato de que estão morrendo mais brasileiros hoje, de forma violenta, do que nas mais cruéis guerras espalhadas pelo mundo afora.

         Considerado por outro prisma, é possível constatar, sem maiores alarmes, que o que assistimos hoje, na maioria das ruas de nossas cidades, é um verdadeiro clima de guerra civil. Os constantes tiroteios, como estamos acostumados a acompanhar diariamente, ao vivo e a cores na antiga capital do país, com o uso de armamentos de guerra, falam por si. Mesmo o uso das Forças Armadas nesses conflitos, comprovam, de modo enviesado, que há muito adentramos para o labirinto sinistro da guerra interna.

      Colocada sob o ponto de vista histórico, podemos afirmar, sem exagero, que a grande ameaça que o regime militar via nos anos sessenta, com a guerrilha urbana, e que levou ao endurecimento do regime e a perda completa dos direitos civis, nem de longe se compara com a situação atual de nossas cidades, capturadas por organizações criminosas que agem com táticas típicas de guerra e que, aos poucos, estão se espalhando por todo o continente, crescendo em poderio e internacionalizando-se.

      Questões que antes poderiam ocupar a agenda do governo como o endurecimento das penas ou a certeza de punição, perdem importância e passam a segundo plano. Mesmo assuntos como a superlotação dos presídios ou a liberalização das drogas, nessa altura dos acontecimentos, já não são de sumo interesse.

        O que parece importar agora é quando agir. De preferência o mais urgente possível e, ainda por cima, contando com o auxílio de todo o aparato de segurança do continente, numa ação conjunta e coordenada. Em casos dessa natureza é preciso, à semelhança do que ocorreu com a ideologia de segurança nacional dos anos sessenta, decretar o fim das salvaguardas legais com que o crime conta atualmente, pondo fim a livre comunicação entre os chefes de quadrilha e o mundo exterior.

        Diante da amplitude do problema, a confecção de leis, do tipo populista, feita apenas para agradar ao eleitor, de nada adianta. É preciso entender que a criminalidade hoje adota modelos copiados em outras partes do mundo.

       A internet, ensina a fabricação de bombas. O poderio da bandidagem já é capaz de aliciar policiais, juízes e outros agentes da lei; estão infiltrados inclusive no legislativo.

       Obviamente, que nenhuma medida ou ação terá o condão de reestabelecer a segurança pública sem que antes se adote as chamadas prevenções primárias, que consistem basicamente nas reformas socioeconômicas que têm na educação, seu carro chefe.

       Em nosso caso, a situação de caos experimentada pela segurança pública encontra ainda um forte complicador que é representado pela dimensão tomada pelos casos de corrupção que parecem enferrujar e paralisar os mecanismos da máquina pública, tornando qualquer ação inútil do ponto de vista prático.

        De fato, há um abismo a ser transposto e só é possível vencê-lo com a participação conjunta de toda a sociedade, afinal esse é um problema de todos nós.

A frase que foi pronunciada:

“A segurança pública está ruindo.”

José Mariano Beltrame, ex-secretário de segurança do Rio de Janeiro.

Charge: Ivan Cabral
Charge: Ivan Cabral

Vale a visita

Uma beleza ver o Centro de Convenções lotado de jovens estudantes animados. Alunos do IFB de todo o país se encontram em Brasília, no Centro de Convenções. Trata-se do Conecta IF, um encontro de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. São vários stands onde os alunos transmitem aos visitantes o conhecimento em sua área. Além disso, palestras, shows, workshops, tudo é aberto à comunidade.

Super valorizada

Está certo que a água se tornou um produto de valor. Mas daí a se pagar uma passagem de avião pela Latam Brasília-Rio e ter só água servida no voo, é um disparate. Quem te viu e quem te vê.

Logo: latam.com
Logo: latam.com

$$$

Revolta total dos motoristas que estão dirigindo com a carteira provisória. Depois de pagar autoescola e várias taxas do Detran, nossa leitora informa que o Departamento de Trânsito está cobrando mais uma taxa de R$ 138,00 para ter a carteira de motorista definitiva.

Aborto

Bruna Ribeiro colheu por toda a Internet estudos científicos contra o aborto. Depoimentos, fotos, filmes. Vale a pena ver no Blog do Ari Cunha, do dia 5 de agosto. Não é possível ficarmos calados diante dessa matança cheia de interesses escusos por trás.

Foto: Minervino Junior/CB/DA Press
Foto: Minervino Junior/CB/DA Press

HISTORIA DE BRASILIA

Em Brasília, entretanto. Os ministros ficam em contato com os passageiros sem aborrecimentos. É praxa da cidade, quebrada apenas por poucos indivíduos inconvenientes. (Publicado em 26.10,2018).

Candidato ao GDF: De Brasília para Brasília.

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

      O Partido NOVO é contra… e, por isso, não usa o Fundo Partidário.  É contra… e, por isso, não usa o Fundo eleitoral! A verba para nossa campanha é muito pouca (…como deveria ser para todos!). É um absurdo que os partidos recebam quase 2 bilhões de reais para promoverem-se!!! O NOVO usa apenas recursos próprios, dos filiados e dos simpatizantes… Então… contamos apenas com a colaboração das pessoas que realmente acreditam que esse movimento é um movimento do BEM. É uma semente para florescer “A” transformação!

        A transformação na FORMA DE FAZER POLITICA!

        Os vereadores eleitos do NOVO já estão fazendo diferença. Já reduziram os gastos dos próprios gabinetes e estão apresentando propostas para o fim de privilégios e para a redução dos gastos públicos desnecessários.

  Conheçam mais as propostas do NOVO, entrando no Facebook de Alexandre Guerra, no site alexandreguerradf.com.br, e no site do: novo.org.br.

* O Blog do Ari Cunha reserva, nas segundas-feiras, um espaço para os pré-candidatos que enviarem material de campanha para divulgação. O conteúdo é de inteira responsabilidade dos pré-candidatos. A equipe Ari Cunha apenas contribui com a sua publicação.

Em defesa do planejamento urbano e solidário

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Charge: Angeli
Charge: Angeli

          Da realização do “Seminário Nacional de Política Urbana: por cidades humanas, justas e sustentáveis”, ocorrido no início desse mês em São Paulo, resultou a Carta Aberta pelo Direito à Cidade, elaborada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) e pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB).

         O manifesto, em defesa de uma política pública de Planejamento urbano Solidário e Inclusivo, está sendo disponibilizado agora aos postulantes à Presidência da República, aos Governadores Estaduais, ao Congresso Nacional e às Assembleias Estaduais e Distrital, de forma a orientar adequadamente os candidatos às próximas eleições quanto as políticas necessárias ao correto planejamento urbano exigidas hoje pela maioria das cidades do país, sobretudo no que concerne a construção de uma agenda voltada para tornar nossas cidades mais humanas, justas e sustentáveis.

         Para tanto, o documento parte inicialmente de três pilares. O primeiro deles refere-se ao que chamam de projeto nacional baseado na territorialização das políticas públicas, ou seja, a adoção de planejamentos descentralizados e adequados a cada realidade. O segundo pilar dessa proposta visa estabelecer uma governança urbana inovadora que reconheça a necessidade de descentralizar a definição das políticas locais, bem como sua execução, respeitando e acatando os diferentes problemas apresentados por cada um dos 5.570 municípios espalhados pelo país, garantindo autonomia técnica do Ministério das Cidades e preservando-os de ingerências político partidárias. O terceiro pilar desse documento assenta-se na democratização da gestão dos Territórios e tem como base fortalecer o governo local quanto ao pacto federativo, ampliando os mecanismos de participação popular nas decisões como o direito à moradia, ao transporte público de qualidade, valorizando, sobremaneira, a vontade das minorias que construíram a nação brasileira.

          Na Carta Aberta dirigida aos candidatos aos pleitos de 2018, o CAU/BR e o IAB lembram que o Brasil, sendo um país continental, possui 85% de sua população vivendo hoje em cidades dos mais diferentes portes, marcadas por desigualdades territoriais, econômicas e injustiças sociais. Para tanto o documento prega, como fundamental que se avance na reforma urbana baseada na função social da cidade, conforme prevista na própria Constituição e já regulamentada pelo Estatuto da Cidade.

           No preâmbulo da Carta, os arquitetos e urbanistas lembram ainda que a “Reforma urbana deve se contrapor ao urbanismo que privatiza e fecha as nossas cidades, sem evitar que a violência alastre-se ante à incapacidade do Estado de implementar políticas eficazes de mobilidade e de enfrentamento da carência de infraestrutura, da degradação dos espaços públicos, da fragilidade da relação cidade-meio ambiente, do espraiamento das periferias com urbanização incompleta e do crescente déficit habitacional.”

A frase que foi pronunciada:

“Nada mais fácil do que fazer planejamento de um país sem incluir gente.”

Jaime Lerner

Charge: blogdokayser.blogspot.com
Charge: blogdokayser.blogspot.com

Vitória

Lumacaftor e Ivacaftor. O que parece sem importância para quem tem saúde é fundamental para a sobrevivência de milhões de pessoas com fibrose cística. A Anvisa anuncia que o novo medicamento foi aprovado. Representantes de diversas associações que amparam pacientes com essa doença, por enquanto incurável, estiveram com a representante da AGU, Grace Mendonça, e com a ministra Carmen Lucia, no STF. O incansável Fernando Gomide, presidente da Associação Brasiliense de Amparo ao Fibrocístico, disse que a união de todos é o primeiro passo para recuperar a saúde do país.

Foto: distritosa.com.br
Foto: distritosa.com.br

Âmbito

À primeira vista, parece sexista a campanha lançada pela Secretaria Nacional de Mulheres, segmento organizado do PSB. “Mulher vota em mulher”. Não que as mulheres sejam vacinadas contra a corrupção. Temos um leque de exemplos que mostra a realidade. Mas para mudar o quadro atual vai ser preciso um choque. E esse é interessante.

Imagem: blogdalucianaoliveira.com.br
Imagem: blogdalucianaoliveira.com.br

Consome dor

Espantado com a esposa que passou 12h horas tentando finalizar satisfatoriamente uma solicitação com a atendente da Latam, o marido perguntou: “Mas como é que você aguentou isso?” Ela respondeu: “Troquei meu antidepressiva semana passada!” O pedido era simples. Mudar a data da viagem, mas todo esse tempo não foi suficiente para a Latam atender.

Logo: latam.com
Logo: latam.com

Desamparo

Cúmulo do absurdo. Sem canal em tempo real para atender consumidores, a Anac, que existe para proteger os passageiros, só recebe qualquer protesto pelo site do cidadão, um portal nacional de reclamação. E mais: com a missão de “Garantir a todos os brasileiros a segurança e a excelência da aviação civil”, a agência presta um desserviço se afastando das demandas populares.

Logo: facebook.com/ANACBra
Logo: facebook.com/ANACBra

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Assim, nós veremos, aqui, o jogo no instante de ser realizado, e à noite, é que chegará a vez do carioca e do paulista. (Publicado em 26.10.1961)

As rugas de um país

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Charge: Dalcío
Charge: Dalcío

         Pelas próximas três décadas, a população brasileira continuará a crescer, atingindo, ao final do ano 2047, 233,2 milhões de pessoas. Daí para frente, o número de brasileiros cairá gradualmente, chegando a se estabilizar em 228,3 milhões de pessoas no ano de 2060. Pelo menos é o que apontam os estudos contidos na revisão 2018 da Projeção de População elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

        Por essas projeções, um em cada quatro brasileiros terá mais de 65 anos em 2060 e é aí que o país terá pela frente que enfrentar novas realidades e novos desafios. Nesse caso, tudo dependerá das medidas que vierem a ser adotadas desde agora, para não haver surpresas desagradáveis e até trágicas quando esse futuro chegar.

        Além da queda média na taxa de fecundidade, haverá paralelamente um aumento na expectativa de vida dos brasileiros, passando dos atuais 72 anos para os homens e 79 anos para as mulheres, para 77 para os homens e 84,5 para as mulheres, em 2060. Com isso, o envelhecimento da população será um fato, com a população com mais de 65 anos chegando a 25,5% da população em 2060. Com mais pessoas idosas do que jovens, a reestruturação total de todos os serviços públicos, incluindo mudanças na infraestrutura das cidades oferecidas à população, será uma necessidade.

        Pelas estimativas do IBGE, a razão de dependência da população atualmente é de 44%, o que equivale a dizer que 44 indivíduos com menos de 15 anos e com mais de 64 anos dependem de cada grupo de 100 em idade de trabalhar. Em 2039, essa razão será de 51,5%, aumentando para 67,2% em 2060. Apenas com base nesses dados ficam patentes que reformas no sistema de previdência e de seguridade social, que até o momento não foram realizadas por questões políticas e eleitoreiras, terão que retornar a pauta, sob pena de simplesmente colapsar todo o sistema, empurrando uma imensa legião de brasileiros para a miséria. De saída, é preciso notar que o envelhecimento da população brasileira poderá acarretar uma redução sensível no Produto Interno Bruto potencial.

         De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), parte do crescimento potencial do país, nas últimas décadas, derivou da força de trabalho que ainda crescia. Com a mudança acentuada desse cenário daqui para a frente, a situação deve se inverter, com o crescimento econômico encolhendo, assim como a força de trabalho e de contribuintes.

         Nesse sentido, os especialistas no assunto recomendam a busca e a exploração por novas fontes de crescimento, como é caso de mais investimentos e de uma forte poupança externa. Questões simples, como a requalificação dessa mão-de-obra mais idosa, terão que ser pensadas, de modo a reinseri-las no sistema. Fora das variáveis econômicas, que são fundamentais, também questões mais simples e que dizem respeito ao dia a dia dessa população mais idosa deverão ser repensadas com urgência, como saúde, mobilidade, segurança, moradia, adaptação das cidades às necessidades específicas desse público, entre outros problemas.

         O século XXI, pelo que já deu para observar, trará desafios ainda maiores para os brasileiros e sobretudo para os próximos governos. Com isso, já é possível mensurar a importância crescente no instituto do voto. Votar agora, de forma esclarecida, em candidatos sérios, é mais do que necessário, é uma questão vital e irá dizer muito sobre nosso próprio futuro.

A frase que foi pronunciada:

“No Brasil de hoje, os cidadãos têm medo do futuro. Os políticos têm medo do passado.”

Chico Anysio

Charge: Ivan Cabral
Charge: Ivan Cabral

Iniciativa

Recebi a informação de Regina Ivete Lopes. Com o troco solidário, o supermercado Comper angariou R$49.698,80. O montante será doado à instituição social Ideias – Instituição de Desenvolvimento da Educação de Ações Sociais. Simples e eficiente!

Imagem: acritica.net
Imagem: acritica.net

Chegue cedo

Dia 31 de julho é dia de conferir a beleza das canções e performance do coral Watoto, de Uganda. O concerto será na igreja Presbiteriana da 313/314 Sul, 19h, entrada franca. Watoto significa criança. O coral é composto por crianças órfãs que perderam os pais com Aids ou em conflitos. O presbítero Toni, Francisco Antonio Oliveira Silva, da igreja Presbiteriana de Brasília, comunicativo como todos os cearenses, conheceu o grupo em Cocalzinho, Goiás. Conversou com os organizadores do evento e depois de reuniões na igreja conseguiu trazer os cantores para Brasília. Depois da apresentação, o grupo colocará à venda produtos promocionais que são parte do sustento para as viagens que fazem pelo mundo.

Luxo

Eram do STF os belos apartamentos do bloco B da SQS 313. Dois apartamentos por andar. Quando presidente, Collor deu a oportunidade para que os ocupantes comprassem o imóvel.

Ainda há tempo

Deputado Izalci Lucas, do DF, em entrevista, diz-se favorável ao voto impresso, auditável. Levantou a simples dúvida: “Se Japão e outros países, com tecnologia avançada, não adotam a urna eletrônica é porque o sistema não atrai, concluiu. É preciso ter a vontade do povo auditável, com transparência, para que não surja nenhum tipo de dúvida, o que não é o caso da urna eletrônica. A questão orçamentária colocada pelo TST não diz respeito ao tribunal, e sim ao Congresso.” Lembra o deputado.

Foto: blogdoeliomar.com.br
Foto: blogdoeliomar.com.br

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Eu não sei se posso dizer isto, mas é provável que no momento em que estejam gravando o jogo no Rio, a TV Brasília esteja transmitindo diretamente a imagem da TV Tupy. (Publicado em 26.10.1961)

Cuba ainda é a Disneylândia das esquerdas

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Foto: mst.org.br
Foto: mst.org.br

         Criado em 1990, por indução do próprio Partido dos Trabalhadores, o Foro de São Paulo transformou-se numa conferência periódica de partidos e organizações de esquerda que, desde então, vêm buscando meios e alternativas de transformar e promover a integração latino-americana para inserir o continente e adjacências no ideário e na cartilha que orienta essa matiz política, visando, entre outras propostas, o controle supranacional de toda a América do Sul e Caribe, de acordo com a ideologia comunista.

        No jargão próprio, o FSP objetiva a “unidade de ação na luta anti-imperialista”. Obviamente que um Foro com essa natureza e propostas, muitas delas fincadas em ideais correntes nos anos sessenta, só poderia reunir a nata das atuais ditaduras que ainda infestam parte do continente, submetendo, arbitrariamente, seus povos à regimes de exceção, como bem ilustram hoje os casos da Venezuela, Nicarágua e Cuba, consideradas, ao lado da Coreia do Norte, as mais longevas ditaduras do planeta.

      Quis o destino, com ajuda de parcela da justiça brasileira que ainda funciona a contento, que duas de suas maiores estrelas não estivessem presente nessa XXIV edição ocorrida na cidade de Havana, Cuba. Fidel Castro, faleceu em novembro de 2016 e Lula encontra-se preso, condenado, em uma das várias ações que responde, a doze anos por corrupção e lavagem de dinheiro. Mesmo ausente, o grande paladino da atual esquerda brasileira foi muito citado no FSP de Havana, que criticou a “condenação e a prisão sem provas de Lula para impedir sua candidatura à presidência da República.”

         Essa versão corrente na narrativa dos petistas foi, estrategicamente, implantada na reunião pela ex-presidente Dilma e pela atual dirigente do PT, Gleisi Hoffmann, que em foto aparecem sorridentes e com um cartaz ilustrativo dessa patranha. No texto da Declaração Final de Havana, a América Latina já aparece como vítima do que chamam de “ofensiva reacionária, conservadora e restauradora do neoliberalismo” no qual os EUA, comandando o capitalismo transnacional, é, como sempre, o grande algoz do continente. No documento também citam retrocessos promovidos por “golpes parlamentares e judiciais”, numa clara menção ao que pregam sobre o ocorrido com o impeachment “da ex-presidente Dilma.

         Não por acaso, as expressões contidas na Declaração Final citam os mesmos chavões repetidos aqui no Brasil, como, “direita imperial”, “oligarquias subordinadas”, “classes dominantes”, “forças imperantes”, “golpe parlamentar”, “julgamento midiático”, “direita conservadora”, “agenda neoliberais” e diversas outras frases ossificadas que compõem o recital das esquerdas em toda a parte. No texto entre as ações que pregam para barrar o avanço de outras frentes, estão a necessidade de se “examinar criticamente o caminho andado, reunificar forças e renovar forças para seguir construindo os consensos que a ofensiva em curso da direita exige.” Para tanto, conclamaram a “um exercício prático do internacionalismo entre todas as forças de esquerda da América Latina e do Caribe, da Ásia, África, Europa e América do Norte.”

         Lembrando que a América Latina e o Caribe continuam em luta, terminam o texto conclamando o velho chavão “Hasta la victoria siempre.” Tirem suas conclusões sobre esse passeio à Disneylândia das esquerdas, diretamente do túnel do tempo.

A frase que foi pronunciada:

“A democracia muitas vezes significa o poder nas mãos de uma maioria incompetente.” 

George Bernard Shaw

Charge: tribunadainternet.com.br
Charge: tribunadainternet.com.br

Pesado

Um dossiê sobre uma rede de abuso sexual, com mais de mil páginas, foi entregue ao senador Magno Malta. Trata-se de uma suposta omissão em investigações que podem ter envolvidos políticos, religiosos e educadores.

Foto: oglobo.globo.com
Foto: oglobo.globo.com

Futuro no passado

Enquanto os candidatos a cargos públicos buscam vices e apoios, os eleitores vão assistindo, no Youtube, campanhas políticas passadas para acompanhar o que cumpriram ou não.

Da região

Solução para a merenda escolar é passar a valorizar a agricultura familiar da região. O assunto foi discutido na Comissão de Educação do Senado. A proposta da senadora Rose de Freitas é ampliar de 30% para 50% a parcela dos recursos federais para o Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Imagem: sebraemercados.com.br
Imagem: sebraemercados.com.br

Valor

Por falar nisso, em uma viagem a Natal, o visitante queria saber a razão de não servirem caju no café da manhã, sendo que a área estava rodeada de cajueiros carregados. A moça que servia os turistas respondeu: “Quem vai querer isso?” Um exemplo simples que mostra como não valorizamos o que temos.

Ataques

Dados dos Tribunais de Justiça, Ministérios Públicos e Polícias Civil e Federal mostram que, em 2017, 57 pessoas que lutavam pelo meio ambiente ou por terra foram assassinadas.

Charge: professorridaltovaz.blogspot.com
Charge: professorridaltovaz.blogspot.com

E se

Jofran Frejat tem colhido muita informação com o fato de ter desistido de concorrer ao GDF. São dados importantes e que serão fundamentais para um futuro bem próximo.

Foto: g1.globo.com
Foto: g1.globo.com

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

O impeachment do sr. Carlos Lacerda ainda não foi votado porque os deputados estaduais da Guanabara só falam nas transmissões dos jogos de futebol pela TV. (Publicado em 26.10.1961)

Êxodo

Publicado em Deixe um comentárioHistória de Brasília

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Imagem: istoe.com.br
Imagem: istoe.com.br

           Com a posse do novo presidente, em janeiro de 2019, dezesseis anos terão se passado desde que o primeiro ex-operário subiu a rampa do Palácio do Planalto. Com Lula, chegaria também ao poder o primeiro governo de orientação esquerdista. Dessa experiência histórica, desejada por muitos que ainda creditavam esperanças de igualdade plenas nessa vertente política ficou, ao lado de uma grande decepção, a constatação de que o país havia retornado ao fundo do poço, depois de ser brevemente resgatado pela engenharia econômica do Plano Real.

       De lá para cá, o Brasil foi do céu ao inferno num átimo. O que restou, talvez, de mais proveitoso dessa experiência frustrada foi o aprendizado de que honestidade e eficiência na gestão do Estado não são atributos exclusivos dessa ou daquela matiz ideológica, mas advém unicamente da escolha livre e sensata de brasileiros conscientes da importância do voto.

        Hoje, num balanço rápido, o que temos, além do encarceramento da cúpula que governou o país e da mais profunda depressão econômica já vivida pelos brasileiros, são dúvidas e incertezas sobre os destinos do país. Das inúmeras consequências negativas dessa experiência que se quis “revolucionária” nos moldes dos anos sessenta, ficaram os 14 milhões de brasileiros de todas as idades que vagam pelas cidades em busca de empregos, o desmantelamento das instituições, a descrença geral nas elites dirigentes e talvez a mais nefasta de todas as heranças, que é a desesperança dos jovens no futuro do país.

      Experiências vindas de outras partes do globo em outras épocas ensinam que qualquer país que assiste à debandada de sua força jovem sofre muito mais para recuperar sua pujança e encontrar os trilhos da história. Nesse sentido, quando uma pesquisa de opinião chega a constatar que, se pudessem, 62% ou quase 20 milhões dos jovens brasileiros iriam embora do país em busca de novas oportunidades e qualidade de vida, o que se tem, em números expressivos, é o retrato, sem retoques, de um processo de profunda desilusão que tomou conta das nossas novas gerações.

        Essa situação se agrava ainda mais quando a mesma pesquisa, feita pelo Datafolha, demonstra que mesmo a população adulta, que já fincou raízes econômicas no país, nada menos do que 43%, expressaram desejo de também deixar o Brasil. Para muitos nacionais, esse desejo não ficou apenas na intenção. O número de pedidos nos consulados e embaixadas de países como Estados Unidos, Espanha, Chile, Canadá, Portugal entre outros países, não param de crescer e já somam milhares de pessoas que voluntariamente almejam ir embora, em busca de uma nova vida em um lugar mais tranquilo e promissor.

           Essa vontade manifestada por milhões de conterrâneos de deixar tudo para trás, virando estrangeiro, num país longínquo é, sem dúvida, a mais patente e perniciosa consequência advinda da experiência vivida por todos nós, a partir de 2003, e que ainda hoje rende seus frutos amargos e dissolutos.

 A frase que foi pronunciada:

“Em Portugal quem emigra são os mais enérgicos e os mais rijamente decididos; e um país de fracos e de indolentes padece um prejuízo incalculável, perdendo as raras vontades firmes e os poucos braços viris.”

Eça de Queirós

EPPR DF005

Inventaram um setor de oficinas que de oficina não tem nada. São galpões às margens da pista norte antes de chegar ao Paranoá. A Agefiz precisa ver o estrago que estão fazendo por ali. Derrubando as árvores, carregando as toras. Dezenas de tratores em jornada plena. Nova invasão com total liberdade e certeza da impunidade.

1 (1) (1)

2 (1) (1)

3 (1) (1)

Na terra dos concursos

Vejam duas entrevistas feitas na Enap bastante importantes. A primeira com a doutora Ketlin Feitosa Scartezini, sobre Gestão e Tecnologias Ambientais. Ela é assessora-chefe de Gestão Socioambiental do Superior Tribunal de Justiça. A outra entrevista é com o subsecretario de Compras Governamentais do GDF, Leonardo Rodrigo Ferreira, que fala sobre os conceitos dos modelos de compras públicas.

Acima do Peso

Os dados são alarmantes. De acordo com Luiz Fernando Córdova, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM),  a obesidade é uma realidade para 18,9% dos brasileiros. “Já o sobrepeso atinge mais da metade da população (54%). Entre os jovens, a obesidade aumentou 110% entre 2007 e 2017. Esse índice foi quase o dobro da média nas demais faixas etárias (60%)”, destaca Luiz Fernando.

Charge: Denny
Charge: Denny

Sina

Como os canais brasileiros de TV aberta pertencem ao Estado, o mínimo para as concessões deveria ser o caráter educativo. Infelizmente, não é o que acontece. A baixaria é tanta, a qualidade dos programas é tão sofrível, que além de transporte particular por falta de mobilidade, escolas particulares por falta de condições de ensino nas públicas, planos de saúde por falta de hospitais públicos decentes, o consumidor, eleitor e cidadão brasileiro é obrigado a pagar por canais fechados para poder se distrair um pouco.

Charge: Alpino
Charge: Alpino

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

A situação no Rio é simplesmente alarmante. Falta água, falta feijão, falta carne, falta energia elétrica, e falta governo. (Publicado em 26.10.1961)

Quando os gatos saem, os ratos fazem a festa.

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil;

colunadoaricunha@gmail.com;

Foto: Show em protesto ao fechamento do Balaio Café na 202 Norte (Daniel Ferreira/CB/D.A Press )
Show em protesto ao fechamento do Balaio Café na 202 Norte (Foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)

       Nos períodos eleitorais, principalmente quando o modelo adotado permite o estatuto da reeleição do mandatário, é comum verificar, durante o afastamento antecipado do chefe do Executivo e de sua equipe para se submeter ao longo processo de campanha, que o governo, como um todo, adentre numa espécie de vácuo, deixando uma sensação geral na população de apagão, onde nada mais passa a acontecer.

          É justamente nesse período de paralisação das atividades do Poder Executivo, com o desmonte temporário das estruturas de fiscalização e controle, que as maiores irregularidades passam a acontecer, quer pela inoperância dos órgãos de governo, quer pelo incentivo dos próprios candidatos, de olho nos votos que o apoio à essas irregularidades podem render.

       Assim, é que é nesses períodos de vazio do poder, que os grileiros passam a agir com maior desenvoltura, invadindo e parcelando terras públicas e alheias, vendendo e negociando livremente até condomínios inteiros sob as barbas dos candidatos oficiais, num claro acinte à toda a sociedade.

         Certos da impunidade e do descaso da justiça, a cidade fica entregue a ação desses malfeitores disfarçados de empresários. Por todo o canto, é possível verificar que é a falta de fiscalização e da punição que acaba servindo como incentivo para espertalhões de todo o tipo. O pior é que as autoridades conhecem esse fato e os delinquentes mais ainda.

         Para a população, só resta assistir inerte as estripulias que vão ocorrendo por toda a cidade. Empresários dos comércios locais aproveitam a oportunidade quando a maré está baixa para espraiar seus negócios, invadindo áreas verdes e outros espaços públicos como calçadas e até estacionamentos, colocando mais mesas, improvisando toldos e cercadinhos. Alguns armam churrasqueiras modernas, em plena passagem de pedestre, onde passam a dourar carnes e embutidos de origem desconhecida e totalmente sem controle das agências sanitárias.

          Nestes estabelecimentos inchados, quem produz os quitutes não conhece a qualidade do que está oferecendo; muito menos os consumidores. Aos poucos, sob o olhar adormecido do GDF, a cidade vai sendo invadida, áreas públicas vão sendo aviltadas, tudo sob o argumento do lucro, que, segundo reclamam, anda baixo. Infelizmente, as invasões o os abusos ao sossego dos moradores não se fazem apenas através das invasões físicas dos espaços, mas do próprio ar na forma de intensa poluição sonora, que passou a ser a marca registrada da cidade, sempre que os fins de semana se aproximam.

           O antigo silêncio é hoje coisa de conservadores e daqueles candangos cansados da labuta. Menos buzinas de dia e liberdade total nos decibéis madrugada adentro. Quando sexta-feira se anuncia, a cidade vira uma grande e ruidosa feira, onde se vende de tudo. Os festejos, regados a muita bebida e a outras substâncias, acontecem a céu aberto, para quem quiser ver. Andar pelas ruas, quando a noite cai, sob as sombras das árvores, virou rotina perigosa. Incrivelmente, o que os moradores das quadras mais tradicionais do Plano Piloto desejam quando o fim de semana chega é que ele acabe o mais rápido possível, de preferência sem acidentes e outras violências já tornadas comuns.

A frase que não foi pronunciada:

“O Brasil que eu quero é com eleitores que tenham orgulho dos políticos que enviarem para Brasília. Eles chegaram aqui pelo seu voto!”

Candango saturado de ouvir maus eleitores xingarem Brasília

Charge: Amarildo
Charge: Amarildo

Aborrecimentos

Novamente, passageiros do aeroporto de Brasília ficaram em polvorosa. Por muito tempo sem informação, os ânimos se acirraram. Mais de 10 voos atrasaram. Soube-se depois que foi problema no radar do aeroporto de São Paulo.

Meu Eixão

Movimento grande terá o encontro no dia 22. Quase 2 mil pessoas já confirmaram presença no evento que começa às 10h, na 108 Sul. Dança, fotos de lambe-lambe, gastronomia. A manhã do domingo promete!

Imagem: facebook.com/events
Imagem: facebook.com/events

Orientação

Com atendimento gratuito, o Centro de Valorização da Vida funciona desde o início do mês atendendo em todo território nacional pelo 188, pessoalmente ou pelo portal, pelo Skype ou ainda por e-mail. É conhecido e respeitado não só para atender pessoas que querem conversar, mas principalmente aqueles que pensam em suicídio.

Imagem: facebook.com/dce.unb
Imagem: facebook.com/dce.unb

Enap

Publicado na revista do Serviço Público o artigo de Bruna Ribeiro sobre Gerenciamento de crises no setor público e suas influências sobre a administração: o caso da Operação Voucher no Ministério do Turismo. Teve como objetivo analisar a crise ocorrida em 2011, bem como os impactos positivos e negativos decorrentes sobre a gestão do órgão.

Link para o PDF: Enap lança segundo número da RSP 2018 – Artigo Gerenciamento de Crises no Setor Público

Imagem: enap.gov.br
Imagem: enap.gov.br

Motocicletas

O Brasília Capital Moto Week espera receber mais de 680 mil pessoas. Bem organizado, o evento reúne uma das classes mais amigas da população brasileira: os motoqueiros. Eles viajam e participam de várias iniciativas importantes. Prestam solidariedade e mantém contato em todo o país. O evento é uma pequena amostra dessa união. Vale a visita! Veja algumas fotos no blog do Ari Cunha que tiramos quando estivemos lá.

1 (1)

2 (1)

3 (1)

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Está, igualmente, o sr. Oliveira Brito, reestruturando as diversas repartições de seu ministério, para maior rendimento do trabalho. (Publicado em 26.10.1961)