Nobel para Emmanuel

Publicado em ÍNTEGRA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil

colunadoaricunha@gmail.com;

“Lutar com palavras é a luta mais vã. Entanto lutamos mal rompe a manhã. São muitas, eu pouco. Algumas, tão fortes como o javali. Não me julgo louco. Se o fosse, teria poder de encantá-las. Mas lúcido e frio, apareço e tento apanhar algumas para meu sustento num dia de vida. Deixam-se enlaçar, tontas à carícia e súbito fogem e não há ameaça e nem há sevícia que as traga de novo ao centro da praça.”

Carlos Drumond de Andrade.

Foto: noticias.ufsc.br
Foto: noticias.ufsc.br

      Não chega a ser uma surpresa, num país em que a leitura e a intimidade com os livros é hábito ainda pouco praticado, que um escritor nascido em Santa Catarina, em 1945, venha a ser o nome indicado esse ano para a Academia Sueca ao Prêmio Nobel de Literatura 2018 e essa honraria tenha sido simplesmente ignorada pela grande mídia.

          A candidatura de Emmanuel Tadeu Medeiros Vieira ao prestigioso prêmio foi feita pela International Writers and Artists Association (IWA), uma entidade com sede em Ohio, Estados Unidos, com representantes na UNESCO e que congrega atualmente 1760 membros em 156 países. O reconhecimento da obra de Emmanuel Medeiros, por uma respeitada entidade internacional, faz jus, para todos que acompanham a obra desse prolífico escritor e poeta, radicado em Brasília desde 1979, a obstinação de toda uma vida dedicada à literatura.  Com mais de 25 livros publicados, a maior parte de contos e novelas, Emmanuel foi agraciado em 2010 pela União Brasileira de Escritores (UBE) com o melhor romance de 2009, “Olhos Azuis: Ao Sul do Efêmero”.

             Graduado em Direito, Emmanuel foi membro do Conselho editorial do jornal Movimento e do jornal Opinião, sendo também fundador de importantes Grêmios Literários e Cine-Clubes. Como escritor, participou de mais de 50 antologias no Brasil e no exterior, sendo reconhecido por seu estilo e ritmo veloz. Sua obra, analisa o escritor Paulo Miranda, possui uma narrativa de quem filma em plano americano, mas descreve os detalhes como um analista freudiano, o que demonstra sua enorme bagagem humanista e fluência natural. Escrevendo de forma limpa e direta, com grande talento para citações, Emmanuel Medeiros recebeu críticas elogiosas de consagrados escritores como Carlos Drummond de Andrade, Mario Quintana, Moacir Scliar, Caio Fernandes Abreu, Paulo Leminsk, Otto Maria Carpeaux, dentre outros. Sua obra literária é sobretudo memoralista, testemunha do seu tempo, de sua geração, de sua ilha de Florianópolis, onde passou a infância e a adolescência, e de Brasília onde veio a residir e trabalhar.

Foto: agenciaabraco.org
Foto: agenciaabraco.org

         Tímido e avesso às badalações, o escritor ficou surpreendido com a lembrança de seu nome para a indicação ao Prêmio Nobel, acreditando se tratar de uma espécie de “pegadinha” feita pelos amigos para levantar seu humor, por conta de uma enfermidade inesperada que insiste, em vão, lhe tolher o ânimo e a criatividade fecunda.

      Com a indicação agora da IWA, que conta entre seus integrantes escritores e pensadores do quilate de um Eduardo Galeano, Noam Chomsky, Ariano Suassuna, João Cabral de Melo Neto, Arthur Miller, Jorge Amado, Ernesto Sábato, Júlio Cortázar e outros de renome, com certeza irá atrair as atenções de todos sobre a obra de Emmanuel Medeiros e quem sabe com isso contrariar o dito do próprio Carlos Drummond de Andrade de que lutar contra palavras é a luta mais vã.

A frase que foi pronunciada:

“A esperança é um urubu pintado de verde.”

Mario Quintana disse só verde.

 

Leitor 1

A superior qualidade do som em FM torna a Rádio Ministério de Educação e Cultura (Rádio MEC) a escolha por excelência para a transmissão de gravações de CDs de música erudita. A rádio difusão caminha para a FM. Uma prova é que o número de estações em FM aumenta constantemente, enquanto o das AM está estagnado.

Leitor 2     

Em Brasília havia apenas 11 estações de rádio em AM contra 35 em FM. É necessário, portanto criar uma Rádio MEC FM em Brasília, com programação diferenciada, como ocorre no Rio, ficando a FM com uma linha basicamente de música erudita e a AM de música popular 100% brasileira, como é no Rio de Janeiro. Roldão Simas faz o histórico que resgata a oportunidade de Brasília poder ter músicas eruditas transmitidas por FM.

Imagem: radios.redecol.com.br
Imagem: radios.redecol.com.br

Laboratório Sabin

Unidade do Metrópole Shopping em Águas Claras, sob a gerência de Marceana e sua equipe, atuam com maestria e carinho ao tranquilizar as crianças na coleta de exames ou vacinação, sucesso absoluto com os pequeninos, nos conta Renato Mendes Prestes.

Concurso App

Aproveitando o Campus Party Brasília 2018, o Senado e Câmara lançam o Desafio VisitApp. O aplicativo de longa duração, que tornar a visitação, um passeio virtual ao Congresso Nacional, a mais dinâmica possível. O 1º lugar receberá R$ 15 mil, o 2º, um notebook Dell Alienware 17″ R5, e R$ 5 mil para o terceiro lugar. A inscrição é gratuita pelo site congressonacional.leg.br/desafio.

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

O ministro do Trabalho, sr. Franco Montoro, outro dia esteve em Brasília, e não foi, sequer, ao seu gabinete. (Publicado em 25.10.1961)

One thought on “Nobel para Emmanuel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *