Corrupção sistêmica – consequências.

Publicado em Íntegra

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

com Circe Cunha e Mamfil

colunadoaricunha@gmail.com;

Charge disponível em: https://www.jornalvs.com.br/
Charge disponível em: https://www.jornalvs.com.br/

                Que relação haveria entre o fato de o Brasil haver registrado a marca histórica de 62.517 assassinatos apenas no ano de 2016  e a piora do país no ranking que avalia a percepção da corrupção no ano passado? O que aparentemente são assuntos e temas distintos no tempo e no espaço, possuem, na verdade, uma ligação umbilical , indicando, neste caso específico, que o morticínio de seres humanos, jamais visto em todo o planeta em tempos de paz , decorre, dentre outros fatores,  justamente do  mal funcionamento dos órgãos de justiça e do  aparelho de segurança internos, emperrados que estão, em razão da ferrugem produzida pela corrupção sistêmica que tomou conta da máquina do Estado.

         Em  ofício enviado agora ao ministro do STF, Gilmar Mendes, por ocasião do vigésimo habeas corpus concedido, por ele,  a presos da Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro, o juiz Marcelo Bretas chamou  a atenção de que “casos de corrupção e delitos  relacionados não podem ser tratados como crimes menores, pois  a gravidade de ilícitos penais  não deve ser medida apenas sob o enfoque da violência física imediata. Os  casos que envolvem corrupção de agentes públicos têm enorme potencial para atingir, com severidade, um número infinitamente maior de pessoas, bastando, para tanto, considerar que os recursos públicos que são desviados por práticas corruptas deixam de ser utilizados em serviços públicos essenciais, como saúde e segurança públicas e, no caso específico, educação.” Prova disso, é que foi preciso a intervenção federal , com tropas do exército, na área de segurança do estado, tamanha as consequências advindas da corrupção que grassou durante o governo de Sérgio Cabral.

               Em qualquer área do país que se examine as razões das precariedades verificadas  na saúde na educação e nos serviços de   infraestrutura de saneamento básicos, a questão da corrupção e do desvio de recursos públicos, surgem como elementos principais . O pior é quando se verifica que no centro desse problema , agindo como protagonistas diretos desse descalabro, estão justamente aqueles a quem a população outorgou, pelo voto, a missão de cuidar dos assuntos públicos.

             Para especialistas no assunto como o historiador Daniel Aarão Reis, “ O sistema político brasileiro é um cadáver, apodrecendo a céu aberto”. Não seria exagero afirmar que todo e qualquer caso que revele o mau funcionamento do Estado, possui um ou mais  fios conectados diretamente a episódios de corrupção e malversação de recursos .

                Para complicar , ainda mais esse quadro, Operações como a Lava Jato demonstraram que os políticos e os muitos partidos implicados nesses episódios, não agem sozinhos. Com eles, estão também, na rapinagem do Estado, a maioria das lideranças empresariais do país, agindo livremente por décadas, graças a cegueira proposital dos órgãos de fiscalização, muitos deles  implicados também direta ou indiretamente nesses episódios.

              As manifestações  gigantescas de 2013 ocorridas em todo o país serviram, por algum tempo para chamar a atenção, principalmente dos políticos para o fenômeno da corrupção. Nesses movimentos, invariavelmente a classe política não foi apenas alvo principal dos protestos. Tão logo se anunciava a presença de alguns representantes eleitos entre a multidão os assessores davam cobertura na fuga depois das vaias.

          Medidas visando aperfeiçoar o sistema anticorrupção foram tentadas de forma tímida, como é o caso encampado  pelo Ministério Público Federal em 2015 e sintetizado no documento 10 Medidas Anticorrupção. Nesse pacote, contendo sugestões e medidas legais para o combate a corrupção e no qual a população depositava alguma esperança, dada a situação do país, foi levado, até de forma ingênua para a apreciação justamente do Congresso, onde estavam os principais protagonistas arrolados nos episódios de corrupção.

             Nesse caso, não foi surpresa para ninguém que os parlamentares, numa pantomina ensaiada, devolvessem para a sociedade um rol de medidas inócuas , desfigurando completamente as 10 Medidas originais e tornando letra morta qualquer medida saneadora.

A frase que foi pronunciada:

 “O Meio é a Mensagem.”      Marshall McLuhan

Educação

Aconteceu com uma criança no Canadá. A hóspede brasileira estranhou o menino chegar da escola com os bolsos cheios de papeis descartáveis. Ele explicou espontaneamente quando percebeu a interrogação na testa da tia. Se eu produzo um lixo, sou responsável por ele. Por isso tenho que descartar na minha casa. É assim que Lilia Britto vê, com orgulho, seu sobrinho crescer.

Iniciativa

Enquanto isso, Brasília e o governador Rollemberg se esforçam. Está na cidade o I Congresso Cidades Lixo Zero, organizada pelo grupo Circo Teatro Udi Grudi. Aquarela do Brasil e Trenzinho Caipira tocados por instrumentos feitos de material reciclado. A seleção musical é de primeira linha e a iniciativa também. Vai até amanhã, no Centro de Convenções. Veja a programação completa clicando AQUI.

Cidades-Lixo-Zero

Navegando

Por falar em Blog, um amigo pergunta como se chega lá. É simples meus amigos. É só digitar no Google blog do Ari Cunha. Sem senha, sem barreiras. Leia à vontade.

gg

Democraticamente vamos reservar o blog do Ari Cunha na segunda-feira para divulgar as ideias e projetos de futuro elaborados pelos candidatos que concorrerão as eleições em 2018. É só enviar para colunadoaricunha@gmail.com

votar-legenda-branco-nulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *