Em Merda!, James Fensterseifer discute as possibilidades de se fazer teatro como meio de vida

Publicado em Artes Cênicas, Teatro

Em seu primeiro espetáculo, Merda!, a cia. Fictícia de teatro cria uma atmosfera de comédia dramática para levar ao público os devaneios da própria profissão. Os dilemas de viver a partir da criação teatral entram em cena com texto e direção de James Fensterseifer, que mostra os conflitos e questionamentos dos bastidores teatrais.

A companhia foi criada para alimentar a ideia de possibilitar aos atores desenvolverem um trabalho onde a comédia despretensiosa possa se mesclar a um debate mais sério sobre as características da profissão de artista das artes cênicas.

Foto: Adla Marques
Foto: Adla Marques

Ao falar de um universo em que se encontra tão imerso, James Fensterseifer mergulhou em seus próprios questionamentos sobre a profissão e o texto se constrói, em grande parte, a partir de um monólogo interior do dramaturgo, produtor e diretor. Ele conta que o maior diálogo tem sido construído com um público diverso, não acostumado ao ofício teatral como meio de vida.

“As pessoas da área ficam um pouco mais reticentes em viver suas verdades. O público geral se atira conosco no abismo; se diverte, sofre e grita; vive tudo com intensidade”, destaca James Fensterseifer.

No palco, a ideia primordial para a criação da comédia utilizada pelo grupo é a de rir com os próprios erros dos criadores. Esse tipo de narrativa costuma ter um amplo espaço de diálogo, alcançando espectadores de diferentes idades e trajetórias. A eficácia do texto se mostra na universalidade dos temas que se misturam aos bastidores cênicos.

O processo criativo de James Fensterseifer

James Fensterseifer lembra que seu processo de escrita é versátil e transita entre o planejamento, o improviso e a impulsão. “Tudo depende do momento em que estamos vivendo e de nossas motivações”, destaca. Em Merda!, o autor iniciou a narrativa enquanto tentava criar uma comédia cheia de ironia, com dois personagens querendo a mesma coisa. A diferença estava em que um sabia o que queria e outro não.

Foto: Adla Marques
Foto: Adla Marques

“Comecei improvisando diálogos provocativos. Mas, acabei sendo contaminado por meus sentimentos. Abandonei o distanciamento e aceitei o convite ao meu abismo. Me atirei na verdade que estava latente naquele momento. Então, acabou sendo um texto que trata de uma realidade”, lembra o dramaturgo.

O produtor conta que tem propagado, principalmente aos seus alunos de dramaturgia, que há mais de 500 anos o homem cria estórias sobre as mesmas coisas, que as motivações criativas têm sido as mesmas. Para ele, não conseguimos evoluir muito nesse sentido, ou evoluímos de forma muito lenta.

“Então, proponho que façamos isso das situações próximas a nós; nossas aventuras são tão interessantes como as dos nossos antecessores. Nesse caso, o que está mais próximo a mim, são os bastidores do teatro”, destaca.

A companhia foi criada por James Fensterseifer para que um grupo de artistas pudesse se juntar a uma ideia de diversão séria. Então, João Rafael, Felix Saab, Ivan Zanon, Matheus Sena, Daniel Obregon, entre outros, se uniram a ele para interpretar o enganoso, o aparente, o hipotético no teatro.


Serviço

James Fensterseifer,
O autor e diretor James Fensterseifer

Merda!, espetáculo de James Fensterseifer, na Casa dos 4 (SCLRN 708, Bloco F, Loja 42), de 6 a 22 de abril; sexta a domingo, às 20h. Os ingressos custam R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada). A classificação indicativa é de 14 anos.